O ministro da Agricultura, Luís Carlos Guedes Pinto, disse ontem ao jornal O Estado de S.Paulo que poderá autorizar em janeiro o aumento, para 25%, da mistura de álcool anidro na gasolina. O porcentual de adição foi reduzido para 20% em fevereiro deste ano, depois da ameaça de colapso no abastecimento do mercado nacional, e ontem foi elevado para 23%.

"Primeiro vamos verificar qual a previsão de estoque de álcool para o final da safra. Saberemos isso em janeiro. Se os estoques forem de 800 milhões a 1 bilhão de litros, vamos liberar a mistura para 25%", afirmou o ministro.

Desde ontem, as distribuidoras elevaram a adição de anidro na gasolina vendida em todo o País. A mudança atendeu ao pedido da União da Agroindústria Canavieira (Unica), entidade que representa o setor.

Segundo Antonio de Pádua Rodrigues, diretor técnico da Unica, o aumento da mistura permitirá que os usineiros vendam mais 60 milhões de litros por mês. O setor insiste em que a oferta de álcool no mercado nacional já permite a volta dos 25% de álcool na gasolina. Rodrigues garantiu que o Brasil não voltará a enfrentar a escassez ou o descontrole dos preços como ocorreu na última entressafra.

De acordo com Rodrigues, o aumento da produção em 1,5 bilhão de litros, a redução da sonegação e a elevação do custo do produto no varejo em relação ao ano passado reduziram a demanda. "Não teremos uma entressafra como a que tivemos.

O setor sucroalcooleiro quer recuperar o mercado que perdeu. Para Rodrigues, a volta dos 25% na mistura seria mais uma garantia para os atuais níveis de preços. Isso assegura os investimentos na expansão do parque produtor de etanol.