Brasília – Governo e sindicalistas fecharam hoje uma proposta de reajuste para os servidores públicos federais do chamado Plano de Cargos e Carreiras (PCCs). O acordo, que irá beneficiar cerca de 393 mil servidores, prevê reajuste de R$ 500,00 para nível superior, R$ 293,00 para nível intermediário e de R$ 181, 00 para os auxiliares.

Com o acordo firmado hoje, o governo consolida a negociação para a concessão de reajuste salarial para a maioria das categorias do serviço público. Antes dos PCCS, os servidores administrativos das universidades e escolas técnicas federais também aceitaram a proposta do governo, de reajuste de até R$ 265,00. Ainda hoje, os servidores da Seguridade Social tentarão chegar a um acordo.

O secretário de recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, disse ter ficado satisfeito com o fim das negociações. “Eu encaro como uma vitória do governo e também dos servidores. Com essa negociação foi aberta uma avenida positiva para o futuro. O que nós queremos agora é uma agenda mais estrutural que estabeleça diretrizes de carreira”, afirmou.

Além do aumento salarial, o governo aceitou acabar com a avaliação de desempenho. Para o diretor da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), Gilberto Jorge, essa foi a decisão mais expressiva desse acordo, já que, na sua opinião, esta avaliação desestimula o servidor.

Na próxima segunda-feira quem senta para negociar são os servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em greve há seis semanas.

Sérgio Mendonça informou que a decisão do ministro do Planejamento, Guido Mantega, de cortar os pontos do servidores que continuam em greve está mantida. Dentre as carreiras que poderão ter o ponto cortado estão os servidores do INSS e da Policia Federal.