Excelente notícia para os chamados microempreendedores está na decisão de ampliar a atuação do Banco Popular do Brasil (BPB), empresa subsidiária do Banco do Brasil criada com o objetivo de operar no campo das microfinanças. O BPB vai reforçar sua presença na capilarização do microcrédito produtivo orientado.

Um exemplo vitorioso nesse campo é fornecido pelo Banco do Nordeste, por meio do programa CredAmigo, que mantém extensa carteira de clientes do chamado crédito solidário – destinado a pequenos empreendimentos pessoais ou familiares – com largo alcance social e baixíssimo índice de inadimplência.

Os empreendimentos financiados pelo crédito solidário, área que os demais bancos não demonstram o menor interesse de incluir na programação, por motivos óbvios e razões de mercado, são a fabricação caseira de alimentos, pequenos objetos ou a prestação de serviços.

Para ampliar a faixa de acompanhamento das atividades financiadas pelo microcrédito, o BPB está estabelecendo vínculos de atuação com as Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscips), capacitadas para a seleção e orientação dos tomadores de empréstimos, evitando prejuízos na aplicação do dinheiro obtido e o prosseguimento dos empreendedores na atividade rentável. Os pequenos também têm vez.