Brasília – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o ano de 2005 foi muito sofrido, durante o programa semanal de rádio Café com o presidente que foi ao ar hoje (27). "Acho que nós tivemos um 2005 muito sofrido e acho que o Brasil superou isso", disse Lula. O programa foi gravado na sexta-feira à noite, logo depois do expediente. Foi apresentado em forma de entrevista a Luiz Fara Monteiro.

No programa, Lula disse que descansaria nos quatro dias de carnaval, embora, a contragosto. "Quando tem um feriado prolongado de três ou quatro dias eu fico incomodado. Acho que não deveria ter tanto tempo assim de feriado e descanso", disse Lula. Mas esse sentimento, segundo o presidente, é só dele. "Isso é um problema meu, eu sei que eu tenho que descansar."

Para Lula, essa desconfiança com os feriados prolongados é um "equívoco pessoal". Disse que o descanso é merecido, porque a vida das pessoas é dura no Brasil. "As pessoas trabalham muito, muito mesmo, e quando têm chance de descansar, as pessoas têm que descansar. Eu fui uma vez no desfile do Galo da Madrugada (em Recife). Eu nunca imaginei na minha vida ver tanta gente totalmente descontraída, descalça, de bermuda, de short, sabe, se divertindo…"

Sem tocar na eleição de outubro e sem falar se será candidato ou não à reeleição, Lula afirmou que tem muita coisa para fazer em 2006. "Eu sou muito otimista com 2006 e acho que tenho que aproveitar e pensar."

Ele disse que, no seu descanso, tomaria banho de mar na Restinga da Marambaia, no Rio de Janeiro, mesmo que repórteres fotográficos insistissem em fazer a imagem dele nas águas.

Lula disse ainda que não conhece a praia de Copacabana nem outras espalhadas pelo Brasil. Atribuiu isso à suas atividades políticas. "É porque durante a minha vida inteira eu viajei muito para os Estados, mas normalmente as pessoas marcavam reuniões das 9 horas da manhã às 10 horas da noite, ou seja, nunca marcaram uma atividade de lazer." Para ir à praia do Piauí na quarta-feira, teve de acordar às 5h30.

O entrevistador perguntou ao presidente se ele considerava uma homenagem a grande venda de máscaras com seu rosto durante o Carnaval. Lula respondeu com bom humor: "Depende da máscara. Eu acho que, independentemente de máscara que as pessoas usem, o mais importante para mim é como é que está a alma das pessoas. Se as pessoas tiverem bem, se estiverem felizes, se as pessoas estiverem curtindo, isso que é bonito."

O presidente falou ainda no programa Café com o Presidente que recebeu uma ligação de Bono Vox, líder da banda irlandesa U2. "Eu falei com o Bono Vox porque ele entregou para o meu filho, na terça-feira (21), uma guitarra para que a gente possa leiloar e arrecadar dinheiro para o programa Fome Zero. Ele estava em Salvador, ele me ligou na quarta-feira e eu não pude dar retorno porque estava viajando e fiz questão de ligar para ele, para agradecer e dizer para ele que o Brasil está de portas abertas para quando ele quiser voltar. E disse a ele que nós vamos nos encontrar por aí, o mundo é pequeno e um belo dia a gente se encontra, até porque defendemos causas nobres, que é resolver o problema da parte mais pobre da população."