São Paulo, 26 (AE) – O 15 de Novembro, de Campo Bom, venceu o Santo André, por 4 a 3, na primeira partida das semifinais da Copa do Brasil, nesta quarta-feira à noite, no Estádio do Pacaembu. Agora o time gaúcho pode perder pela diferença de um gol até a somatória de três do adversário (3 x 2) em Porto Alegre, que garante vaga na final.

Para jogar a final, o time paulista precisa vencer o 15 por dois gols de diferença. A partida de volta está marcada para dia 9, no Estádio Olímpico, em Porto Alegre. O estádio de Campo Bom também não tem a capacidade mínima de 20 mil pessoas exigida nesta fase pela CBF.

Assim que começou o jogo, o 15 de Campo Bom fez questão de comprovar a tradição da “pegada gaúcha”. Com uma marcação forte, o time não deixou o Santo André atravessar o meio-de-campo e, com a posse de bola, articulou bons contra-ataques.

Mas quem ameaçou primeiro foi o Santo André, com Osmar, que, quase caído, chutou na entrada da área, mas o goleiro Pitol espalmou para escanteio. Aos 15 minutos veio a reposta gaúcha: Perdigão dominou a bola na entrada da área, deu um chapéu em Dirceu mas, no momento da con clusão, acabou chutando fraco, para não ser desarmado na jogada aérea. Foi um prenúncio do que o 15 era capaz.

Seis minutos depois, após cruzamento da esquerda de Marcelo Müller, Bebeto subiu livre de marcação para cabecear a bola ao gol. A pequena torcida que compareceu ao Estádio do Pacaembu ficou apreensiva, pois o Santo André não conseguia reagir e os ataques foram na base da correria. Até que aos 33 minutos, Romerito arrancou pela esquerda e foi derrubado pelo zagueiro Luiz Oscar. Apesar da hesitação, o árbitro Márcio Rezende de Freitas apontou pênalti. Barbiéri chutou forte no canto esquerdo e garantiu o empate na primeira etapa.

Os dois times voltaram do intervalo com as escalações inalteradas. O 15 dominava a posse de bola. Sem pressa para armar as jogadas, os meias invertiam as jogadas com os laterais de acordo com a marcação adversária.

Aos seis minutos, Patrício cruzou da direita e Dauri, diante da frágil defesa do Santo André, nem precisou pular muito para marcar de cabeça o seu oitavo gol na competição.

Dois minutos depois, Patrício limpou a jogada da direita para a esquerda e arriscou um chute da entrada da área. O goleiro Júnior caiu atrasado e ainda tentou encaixar a bola, que resvalou em seus braços e entrou no gol.

Aos 13 minutos, Gérson lançou em curta distância para Bebeto, na entrada da área. A defesa paulista, novamente, se atrapalhou e deixou o atleta em condição legal. Ele escolheu o canto esquerdo do gol para marcar o quarto do 15 e o seu segundo gol, todos de cabeça.

Três minutos depois o Santo André reagiu: após bola resvalada na entrada da área, Tássio chutou de primeira. A bola correu rasteira e entrou no canto esquerdo de Pitol.

Sob os gritos de “Ainda dá!” do treinador Péricles Chamusca, o time do ABC diminuiu a diferença para apenas um gol. Aos 24 minutos, Sandro Gaúcho fez de uma bola perdida, um cruzamento na medida para Osmar, que correu por trás da zaga e escorou para marcar o terceiro gol.

O Santo André evoluiu na partida, nenhum lance era perdido para os jogadores. Mas o meia Osmar foi expulso por dar uma cotovelada em Perdigão, o que deixou o time do ABC desnorteado e sem meios para empatar.

Ficha Técnica:

Santo André-SP – Júnior; Dedimar, Da Guia e Gabriel; Barbiéri (Makanaki), Dirceu, Marquinhos, Tássio (Nelsinho) e Romerito; Sandro Gaúcho e Osmar. Técnico: Péricles Chamusca.

15 de Novembro-RS – Pitol; Patrício, Jairo Santos, Luiz Oscar e Marcelo Müller; Edmílson, Perdigão, Gérson (Maico) e Canhoto (Edinho); Bebeto (Marcão) e Dauri. Técnico: Mano Menezes.

Gols: Bebeto aos 21 e Barbiéri aos 33 minutos do primeiro tempo; Dauri aos 6, Patrício aos 8, Bebeto aos 13, Tássio aos 15 e Osmar aos 24 minutos do segundo tempo.

Árbitro: Márcio Rezende de Freitas (Fifa – SC).

Cartão Amarelo: Dirceu, Marquinhos e Bebeto.

Cartão Vermelho: Osmar (Santo André).

Local: Estádio do Pacaembu (São Paulo).