A vida e a obra de Mozart são tema do workshop "250 anos do nascimento de um gênio que mudaria sensivelmente a história da música", marcado para o dia 11 de agosto, às 14 horas, no Instituto Cultural Opus In Cena. O evento faz parte da programação do 17º Festival de Música de Cascavel, realizado pela Prefeitura de Cascavel, através da Secretaria da Cultura.

Entre outros assuntos, o professor Giovani Pereira dos Santos vai analizar a obra de Mozart dentro do contexto histórico do período clássico, a família, a história de vida do menino prodígio, além de aspectos relevantes das principais formas musicais utilizadas pelo compositor e aspectos importantes no estilo de composição e grupos instrumentais e vocais utilizados por Mozart. Também será apresentada uma súmula de sua obra e realizada a audição de algumas obras de formas estruturais variadas, seguida de recital.

Mozart

O gênio austríaco, Wolfgang Amadeus Mozart, nasceu em Salzsburg em 1756 e foi um fenômeno durante toda sua vida. Aos três anos já conseguia tirar melodias do cravo, e chorava quando alguém tocava alto demais ou de forma muito discordante. Aos quatro anos já tocava violino e cravo de forma tão fluente quanto uma criança com o triplo de sua idade e o triplo de tempo de estudos musicais. Aos cinco anos Mozart já compunha minuetos e outras peças pequenas, porém, todo este poder critativo e musical não era visto por seu pai apenas com alegria, mas também com muito medo e alarme.

O pai de Mozart não tinha a menor idéia de como e o que mais poderia ensinar ao filho, pois este não gastava mais do que 30 minutos para solucionar os problemas mais complexos que o pai lhe oferecia. Mesmo tendo uma vida totalmente movimentada, aos 12 anos Mozart já era um compositor de altíssima qualidade, seus "métodos" de composição, no entanto, eram um tanto quanto diferentes.

Por ter tido uma vida cheia de viagens, Mozart criou uma maneira de compor só sua: primeiro ele criava a música em sua cabeça, até em seus menores detalhes, enquanto fazia outras coisas como jogar bilhar, ensinar piano, etc. Depois, logo que tinha a oportunidade de sentar-se em frente a uma partitura em branco, escrevia a música que trazia em sua cabeça com tal fervor e rapidez que não houve quem não tivesse ficado impressionado com tamanha força criadora. Escrevia a música como se estivesse apenas copiando uma partitura que já sabia de cor.

Entre as obras de Mozart estão 41 sinfonias; 27 concertos para piano; cinco concertos para violino; quatro concertos para trompas; um concerto para flauta; um para oboé; um para clarineta; um para fagote; uma sinfonia concertante para violino, viola e orquestra; sinfonia concertante para quatro instrumentos de sopro e orquestra; um concerto para dois pianos; um concerto para três pianos; um concerto para flauta e harpa; concertone para dois violinos; 17 divertimentos, treze serenatas, mais de cem minuetos, gavotas, marchas e outras peças para dança, freqüentemente agrupadas em conjuntos de seis. A maior parte das sinfonias escritas por Mozart foi composta como música de entretenimento, um contraponto alegre aos divertimentos e serenatas. Mozart, um dos maiores gênios da música de todos os tempos, morreu a 5 de dezembro de 1791.

Serviço

Evento: Workshop sobre Mozart
Data: dia 11 de agosto
Horário: 14 horas
Inscrições e informações: R$ 10,00 (na Secretaria de Cultura e no Instituto Cultural Opus in Cena)
Local: Instituto Cultural Opus In Cena ( Rua Afonso Pena, 2012, Centro)
Informações: (45) 3222-0495