Foto: Divulgação

Will Smith: promovendo seu filme no Brasil.

?Um dos maiores desafios deste filme foi ficar calado. Quando passamos o que sentimos só por meio de expressões e gestos, percebemos o poder que isso tem e acabamos descobrindo muito sobre nós?, disse Will Smith em entrevista coletiva realizada na última segunda-feira, na sala do Hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro. Will, o diretor Francis Lawrence (de Constantine) e o roteirista Akiva Goldsman (Oscar por Uma mente brilhante) conversaram com o jornalistas sobre o filme que é a maior bilheteria do verão nos EUA. O três cumpriam a maratona que os fez rodar o mundo para lançar o blockbuster de US$ 150 milhões, que estréia hoje no País e já abocanhou US$ 240 nos EUA. Eu sou a lenda é uma adaptação (a terceira) do romance de Richard Matheson e conta a história de Robert Neville, cientista do Exército americano que pensa ser o último sobrevivente depois que Nova York (e a Terra) é assolada por um vírus mutante que transforma humanos em feras vampirescas hipersensíveis à luz. Neville é imune ao tal vírus e apesar de achar que está sozinho no planeta, insiste em perseguir a cura. Will contracena durante todo o tempo com a cadela Sam, e depois de uma hora de filme, eis que surge a bela Alice Braga, que teve sua atuação muito elogiada pelo colega de cena.

Serviço

Eu sou a lenda (I am legend, EUA/2007, 101 min.) -Ficção científica. Dir. Francis Lawrence. 14 anos. Cotação: Bom.