Wagner Moura está no Festival de Cinema de Sydney, na Austrália. Lá, o ator concedeu entrevista ao The Daily Telegraph e disse que está com receio de voltar para o Brasil.

“Pela primeira vez na vida, senti que poderia estar em perigo”, declarou. O ator insistiu que não deixará suas preocupações de segurança impedi-lo de voltar, mas que isso pode mudar se “as coisas aumentarem ainda mais”.

Wagner Moura dirigiu o filme Marighella, que conta a história do guerrilheiro que lutou contra a ditadura militar no Brasil entre 1964 e 1985. “Eu estava preparado para o filme polarizar as pessoas e para as críticas, mas não estava preparado para nossos distribuidores não terem coragem de lançar o filme”, afirmou ao The Daily Telegraph.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

No site oficial do Festival de Cinema de Sydney, existe uma descrição do filme. “Após sua estreia na Berlinale, Marighella foi duramente criticado no Brasil – inclusive pelo presidente Jair Bolsonaro – apesar de o filme não ter sido lançado lá. Este emocionante thriller é uma celebração de Carlos Marighella, interpretado pelo músico e ator Jorge (Seu Jorge).

No Brasil dos anos 1960, governado por uma violenta ditadura militar, Marighella lidera um pequeno grupo de guerrilheiros em uma luta armada contra o regime. Com sequências de ação estimulantes, esse empolgante filme histórico tem poderosa ressonância no presente, no Brasil e além”, diz a nota.

Mega-Sena acumula pela 6ª vez seguida e prêmio de quarta pode ser de R$ 80 milhões