enkontra.com
Fechar busca

+ Pop

mais-pop

‘Vida de Cristo’, de Sheen, volta às livrarias

  • Por Estadão Conteúdo

Duas editoras católicas, Molokai e Petra, trazem de volta às livrarias brasileiras a Vida de Cristo, um dos sucessos do telepregador Fulton Sheen. Bispo em Illinois e depois arcebispo auxiliar em Nova York, ele escreveu 167 livros, conquistou um público de 4,5 milhões de ouvintes no rádio e 30 milhões de telespectadores de audiência na televisão nos Estados Unidos. Competia então com outros grandes evangelistas, como os protestantes Billy Graham e Milton Berle.

Fulton Sheen era um bispo conservador e anticomunista. Viveu no auge da Guerra Fria, depois da 2ª Guerra Mundial, quando a então União Soviética e seu bloco de países socialistas se opuseram aos Estados Unidos e seus aliados. O quadro político mundial influenciou a pregação de Fulton Sheen. Fulton Sheen escreveu no último dos 62 capítulos de Vida de Cristo: “Cristo, portanto, ainda caminha sobre a terra, agora em seu Corpo Místico, como outrora em seu corpo físico. O Evangelho era a pré-história da Igreja, assim como a Igreja é a pós-história do Evangelho. Ele é ainda rejeitado na hospedaria, como o foi em Belém; novos Herodes com nomes soviéticos e chineses o perseguem com a espada; outros Satanases aparecem para tentá-lo a pegar os atalhos da popularidade que o afastam da Cruz e da mortificação”.

Segundo o arcebispo, a vinda de Jesus ao mundo não cumpriria sua missão de salvador sem a Cruz, pela qual ele se sacrificou para a redenção da humanidade. A Cruz está presente em todos os capítulos da Vida de Cristo. Por isso, o redentor se apresentou como Filho do Homem e não como Filho de Deus, porque só assim poderia morrer para a remissão dos pecados do homem.

Fulton Sheen participou de todas as sessões do Concílio Vaticano II, de 1962 a 1965, trabalhando como colaborador de Joseph Ratzinger, futuro papa Bento XVI, um de seus admiradores. Segundo seus biógrafos, defendia proposições lúcidas e consistentes, sempre fiel à ortodoxia da Igreja. Seus escritos e sua pregação no rádio e na TV mantiveram-se fiéis a essa linha, o que explicaria a admiração dos católicos conservadores.

Ao explicar por que Fulton Sheen ainda atrai leitores, 40 anos após a morte, em dezembro de 1979, o editor responsável da Petra Editorial, Hugo Langone, afirmou: “Esse é um interesse que parece responder a certo anseio por solidez no meio da confusão doutrinária e pastoral que se instalou em muitos círculos católicos após as décadas de 1960 e 1970, com interpretações forçadas e fantasiosas do que o Concílio Vaticano II teria dito. Esse é o mesmo anseio – fortalecido pelos últimos papas – que explica por que são incessantes as publicações e as vendas de Bento XVI, ou mesmo o sucesso, no Brasil, de uma figura como o Padre Paulo Ricardo de Azevedo Jr., que não tem presença constante nas mídias tradicionais ou seculares. Gente como Fulton Sheen (e, nos EUA, como o bispo Robert Barron, por muitos tido como seu “sucessor”) acaba servindo como norte para os fiéis num tempo em que muitas figuras religiosas públicas não se dedicam a isso.”

As edições da Petra e da Molokai apostam nos leitores católicos conservadores. O catálogo da Molokai inclui outros livros de Fulton Sheen, cujo Vida de Cristo foi lançado em 1959. O papa João Paulo II também foi leitor de Fulton Sheen. Ao visitar a catedral de Saint Patrick em Nova York, em 1979, o papa mandou chamá-lo, abraçou-o e disse-lhe: “Você escreveu e falou bem do Senhor Jesus! Você tem sido um filho leal da Igreja”. Padre Andrew Apostoli, vice-postulador da Causa de Canonização de Fulton Sheen, entendeu que o papa se referia em especial ao livro Vida de Cristo. O processo de canonização foi aberto em 2002.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas