Foto: João de Noronha

Fãs ficaram esperando, por horas, em frente ao teatro para conseguir um bilhete para ver seu ídolo.

A espera na fila que dava a volta no Teatro Guaíra, ontem, em Curitiba, era justificável: Chico Buarque de Hollanda ao vivo, depois de anos sem aparecer na capital paranaense. Mas a oportunidade custou mais caro do que apenas o valor do ingresso. Para alguns fãs foram até sete horas de espera, em pé, para garantir a entrada e ainda um bom lugar. Quem chegou cedo levou os melhores; no fim da tarde, por volta das 17h, a demora gerou protesto com direito a apitaço. Mesmo assim, a bilheteria estimava poder atender a todos que ainda aguardavam uma oportunidade de ver o cantor.

A principal reclamação de quem aguardava na fila foi o descontrole na entrada da bilheteria quando as portas se abriram, às 12h. ?Na hora que abriram, entrou um monte de gente de uma vez e alguns saíram com chumaços de ingressos nas mãos?, reclamava o estudante Caio Valentino. Ele e a namorada esperavam desde as 9h para comprar o ingresso, mas só foram atendidos às 16h40. ?Só um funcionário estava aqui para tentar organizar. Nós esperávamos que, para um show desse porte, houvesse mais preparo. Muita gente furou fila?, dizia a administradora Maria Carolina Torres, que também chegou ao teatro logo cedo e encontrou a fila já bastante grande.

Horas esperando era sinônimo de protesto a certa altura da tarde. Muita gente resolveu expressar a indignação com apitos, para chamar a atenção de quem quer que fosse. A estudante Lígia Quirino dos Santos não economizou barulho. ?Estou aqui desde as 10h?, reivindicava, perto das 17h. ?Acho que falta organização, não tem esquema de segurança, nada. Só continuo mesmo por causa dele (Chico).? A estudante estimava esperar no máximo três horas para a compra. ?Mas esse é apenas o tempo que estou parada no mesmo lugar?, revoltava-se.

Momentos depois que a bilheteria abriu, o teatro decidiu limitar a compra de ingressos a dez por pessoa. Um funcionário foi disponibilizado para auxiliar na organização e uma corda colocada à frente da bilheteria para evitar que os ?furões? se aproximassem. Ao entrar na fila no final da tarde, mesmo com centenas de pessoas à frente, a aposentada Mila Aguilar estava disposta a ficar para comprar o ingresso. ?Sou fã dele desde quando começou e nunca o vi ao vivo. Já que estou aqui espero?, dizia. Não foi preciso. Quando ficou sabendo que quem tinha mais de 60 anos tinha preferência, foi em direção à bilheteria e realizou o sonho antigo. Mesma sorte não teve a atriz Kaley Michele, que desanimou com o tamanho da fila, mas prometeu não desistir: ?Pelo Chico vale a pena?.

Ontem, até as 18h, ainda restavam cerca de mil ingressos para vender, segundo funcionários da recepção do Guaíra. A bilheteria estimava conseguir atender a todos os que aguardavam na fila e esperava fechar (às 21h) ainda com ingressos para hoje. Na platéia, segundo os bilheteiros, no final da tarde de ontem restavam cadeiras espalhadas apenas nas últimas filas. Já no primeiro e segundo balcão, os lugares restantes estão concentrados nas laterais. As entradas estão sendo vendidas também na internet pelo site www.tguaira.pr.gov.br. Chico Buarque se apresenta em Curitiba nos dias 3 e 4 de abril. O valor dos ingressos varia de R$ 140 a R$ 280 (estudantes, pessoas com mais de 60 anos, clientes da operadora TIM ou que possuam o cartão fidelidade do Teatro Guaíra pagam meia-entrada).