Críticos, ecológicos e apaixonados, os Titãs estão de volta com novo CD, Sacos Plásticos, o 16º da banda em 27 anos de carreira. A produção ficou com Rick Bonadio, homem por trás do sucesso de bandas como NX Zero, CPM22 e Mamonas Assassinas. Rick é considerado um produtor com uma pegada de trabalho mais comercial. Ele mesmo já admitiu várias vezes que não se importa com o rótulo que ganhou. Os Titãs também não. “A gente sabe que ele é produtor eclético”, endossa o vocalista Branco Mello.

Para o guitarrista Tony Bellotto, Rick não poderia ter aparecido em melhor momento, já que a banda, assim como tantas outras, sofriam com o pessimismo do mercado. “A gente estava na Sony-BMG no auge da crise e os executivos só reclamavam. O Rick também é executivo (diretor da Arsenal Music, responsável pelo lançamento do disco, com distribuição da Universal), mas não fica se queixando, acredita que há um mercado grande para a música.”

Sacos Plásticos não é o CD de música eletrônica deles, esses recursos já foram experimentados em álbuns como Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas e O Blesq Blom. Segundo Paulo Miklos, a banda decidiu assumir de vez todos os instrumentos. Por isso, ele e Sérgio Britto estreiam na guitarra e no baixo, respectivamente. O grupo só abriu brecha para poucas participações especiais: Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura, assina parceria com Bellotto e Britto em Deixa Eu Entrar – e dá canja nela – e Arnaldo Antunes, que vira e mexe aparece em algum disco da antiga banda, compôs Problema em parceria com Miklos e Liminha.