Tarja Turunen, a excepcional vocalista que surgiu para o mundo da música como a voz e o rosto do grupo finlandês Nigthwish, vem, agora em agosto, pela primeira vez ao Brasil como artista-solo, na turnê de divulgação de seu primeiro álbum após a saída do antigo grupo – o aclamado My Winter Storm, de 2007. Em Curitiba, ela se apresenta na Hellooch, no dia 24 de agosto, domingo.

Para o show, além de uma grandiosa produção de palco, seus milhares de fãs podem esperar sucessos imediatos do disco solo, como I Walk Alone e temas que ajudaram a fazer do Nigthwish uma das principais bandas da presente década. Para tornar as apresentações ainda mais imperdíveis, a banda que acompanha a cantora é formada por verdadeiros pesos-pesados do rock/metal: Doug Wimbish (virtuose do baixo, atualmente no Living Colour), Mike Terrana (um dos grandes bateristas do mundo) e Kiko Loureiro (aclamado guitarrista do Angra). 

Durante toda a sua carreira, Tarja tornou-se conhecida por alcançar sucesso na mais difícil das tarefas – isso por conseguir unir dois mundos que, à primeira vista, seriam absolutamente opostos: o metal e a ópera. Poderiam esses dois gêneros trabalhar ombro a ombro sem um diluir o outro? Bem, não só essa soprano conseguiu alcançar um equilíbrio perfeito entre ambos (com hits como Nemo sacudindo as paradas mundiais de sucesso); como também, ao fazê-lo, ajudou a criar um estilo que, atualmente, exerce uma gigantesca influência no cenário rock e metal em geral.

Com seu alcance vocal único, e extraordinária presença de palco, ela transformou-se em peça-chava para fazer no Nigthwish um sucesso multiplatinado mundo afora. Tarja agora quer levar a sua carreira a um nível ainda maior, tanto em termos musicais quanto de imagem. Para isso, essa cantora de 30 anos passou boa parte do ano passado  trabalhando em suas primeiras gravações longe da banda que a projetou, em estúdios na Irlanda, Espanha, Suíça, Alemanha, Finlândia e na Costa Oeste dos EUA. De estruturas clássicas a ataques de guitarras pesadas, My Winter Storm é um álbum cheio de contrastes e variações; um disco concebido para mostrar não só aqueles elementos da música de Tarja que os fãs já estão familiarizados, mas também suas diferentes tangentes e texturas. 

De um lado, temas reflexivos, como Oasis (composta pela própria vocalista) e The Reign – faixa originalmente concebida para ser instrumental, mas que depois se beneficiou de algumas assustadoras linhas vocais acompanhadas do emotivo violoncelo de Martin Tillmann. Do outro, a exploração de contornos sombrios com Boy and the Ghost ou Damned and Divine, elevação do espírito com Sing for Me ou a libertação os antigos deuses do rock com Ciarian’s Well e Lost Northern Star – canções essas que ajudam a dar forma a um disco de grande carga emocional. Une-se também algo de surpreendente, em uma versão cover que parece intrigante no papel e que não desaponta de maneira alguma em seu resultado final: Poison, de Alice Cooper, que mostra que Tarja – agora mais do que nunca dona de suas próprias ações – se sente confortável tanto dando asas a seu lado mais comercial quanto à sua faceta mais clássica, o que somente traz ainda mais estofo às suas credenciais como artista.

Serviço

Tarja Turunen

Data: 24/08 (domingo)

Local: Hellooch – Rua Desembargador Westphalen, 4000

Horário: Abertura da casa às 19h. Início do show às 22h.