A Mocidade Alegre não dá o braço a torcer e mantém a tradição de prescindir de “famosos” em seus desfiles, entrando mais uma vez na avenida pela contramão das concorrentes no quesito celebridades. “Não costumamos ter celebridades nos desfiles, não é importante. Isso só chama a atenção da imprensa, mas não ganha títulos”, afirma o carnavalesco Sidnei França. Com a aposta na força da comunidade, a escola é a atual vice-campeã do carnaval de São Paulo e parte este ano em busca de seu sétimo título.

As exceções são dois componentes da escola, que desfilam por amor à camisa, segundo França, “há oito ou nove anos”: a atriz Rosi Campos e o ator Pascoal da Conceição (coincidentemente colegas na série infantil “Castelo Rá-Tim-Bum” – ela era a Bruxa Morgana e ele, o Dr. Abobrinha). “Mas eles não são convidados por causa da fama. Os dois estão há tempos com a escola”, explica França. “O importante é fortalecer a comunidade”, ressalta o carnavalesco.

A escola não contará neste ano com rainha e nem madrinha de bateria. Nani Moreira, que acumulava as duas funções na Mocidade, participará do desfile, mas não no posto habitual, já que teve filho no começo de dezembro do ano passado. “Não teremos ninguém nessa posição, só vamos manter a criança que é a rainha de bateria infantil, a Marília. Rainha de bateria não é um dos critérios de avaliação, é mais uma tradição e uma atração para o público”, conclui França.

Para reconquistar o título – a Mocidade foi campeã pela última vez em 2007 -, a escola leva para a avenida, a partir de 0h20, o samba-enredo “Da Chama da Razão ao Palco das Emoções… Sou Máquina, Sou Vida… Sou Coração Pulsando Forte na Avenida!!!”, em que o tema central é o coração. “Foi um consenso a escolha do tema. Nós sempre quisemos falar sobre o coração, porque tem muito a ver com a característica da escola, que é acolhedora, familiar”, diz o carnavalesco. A história do órgão será contada a partir de cinco vertentes: história, fé, ciência, romance e, por fim, a ligação do coração com a escola. “Vamos levar muitas surpresas para a avenida, mas não posso adiantar”, afirma Sidnei França, enigmático.

No ano passado, a Mocidade Alegre terminou a apuração com os mesmos 90 pontos da campeã, a Vai-Vai, perdendo no quesito usado para o desempate, Harmonia. “Foi falta de sorte”, aponta o carnavalesco. “Não foi por falta de competência. Para ganhar neste ano, apostamos no preparo, já que sabemos qual é o critério adotado para o julgamento dos desfiles”. Confira a seguir o samba-enredo da escola, feito pelos compositores China da Morada, Ferreira, Luis Roberto, Murillo TK, Pinheiro e Rafa:

“Da Chama da Razão ao Palco das Emoções… Sou Máquina, Sou Vida… Sou Coração Pulsando Forte na Avenida!!!”

Chegou Mocidade o grande dia

Avante nossa família

Que traz a chama da razão

E faz brilhar nesta avenida

A luz que ilumina cada ser

É a fonte do saber

Na religião, mistério e segredo… É o coração

O Renascimento desperta a ciência

Fazendo o homem conhecer

Sua própria existência

Refrão

Máquina da vida eu sou

Com saúde e mais amor

Quem doa renova a vida em outro ser

Sou ritmo puro que te faz viver

Entre tantas emoções

Amores revelam cenário de paixões

Enamorados ao luar, o cupido me flechou

Gostoso é o amor materno

Puro e eterno pra me acalentar

Sou inspiração na poesia

O grito de gol no ar

São tantos sambistas imortais

Inesquecíveis carnavais

Por ti darei a minha vida Escola querida!!!

Refrão

É mais uma emoção

Batendo forte no meu peito

Eu sou Morada e não tem jeito

Faz pulsar o coração

O sonho de ser campeão