Quanto mais os hormônios da filhas adolescentes pululam, mais os pais puxam as rédeas. Esse é o mote do reality Filhas do Bom Pastor, do canal Bio, em que líderes de igrejas evangélicas dos Estados Unidos mostram como lidam com suas herdeiras com jeito de ‘periguete’.

‘Tenho regras e quero que minha filha as siga’, disse o pastor Kenneth Coleman, líder da igreja Pentecostal da cidade de Refuge. Ele se esmera na criação de Taylor, sua caçula, de 18 anos.

‘Meus filhos mais velhos não viveram comigo o tempo todo, moravam com a mãe, e eu só os via no fim de semana. Com a Taylor, estou o tempo todo’, afirma.

Longe do modelo de comportamento idealizado pelo pai, a filha do pastor dá declarações polêmicas ao longo dos episódios. ‘Se eu não tiver dinheiro suficiente para pagar a faculdade, vou virar stripper. Ou atriz pornô’, disse rindo. Para Coleman, o que mais o surpreendeu foi ver Taylor usando um biquíni na praia. ‘Eu não compro esse tipo de coisa para ela. Ela está crescendo, quer conquistar sua liberdade e isso tem seu preço. Ela tem de reconhecer que nem tudo é bom’, explica.

Apesar da vigilância em excesso, Coleman garante ter apoio de quem o assistiu na TV. ‘No Facebook, tem gente me dizendo que gostaria de ter um pai como eu’, revela.