Acaba de ser lançada a 61.ª edição do jornal literário Rascunho, que, em abril passado, completou cinco anos de circulação nacional. Criada pelo designer Ricardo Humberto, a capa chama os leitores para uma série de textos produzidos especialmente para comemorar o aniversário de 80 anos dos escritores Dalton Trevisan e Rubem Fonseca. Luiz Paulo Faccioli analisa a coletânea 64 Contos de Rubem Fonseca, recém-editada pela Companhia das Letras. Já o escritor Nelson de Oliveira realizou uma entrevista fictícia com Dalton Trevisan. Nela, o vampiro relata de que formas ele teria inventado a cidade de Curitiba. Miguel Sanches Neto também colabora com o tema, de duas maneiras distintas: resenhando o novo livro de Dalton, Rita Ritinha Ritona, lançado pela Record; e publicando o conto inédito Virgem Sim, Graças a Deus, escrito em homenagem ao autor paranaense.

O trabalho de Caio Fernando Abreu é revisitado no texto que Suênio Campos de Lacerda escreveu sobre Caio 3D – O Essencial da Década de 70, livro que inicia o relançamento, pela Agir, de toda a obra do escritor gaúcho, morto em 1996. A escritora Állex Leilla também discorre sobre Caio no texto Sempre se pode dançar?.

No caderno Dom Casmurro, exclusivamente dedicado à publicação de prosa e poesia inéditas, destacam-se o conto Simples, de Marcelo Carneiro da Cunha – autor de O Nosso Juiz -, e o poema Impressões de Viagem (Crônica a Neruda), escrito pelo jornalista Nilson Monteiro. Também colaboram com a edição de maio do Rascunho Tânia Jamardo Faillace – que assina um texto sobre o escritor argentino Ernesto Sabato – e o colunista Fernando Monteiro.

Sobre o Rascunho

O Rascunho foi criado em Curitiba, em abril de 2000, pelo jornalista Rogério Pereira. Nacionalmente famoso pela qualidade de seu conteúdo e pelas polêmicas que fomenta entre escritores, críticos literários e consumidores de literatura, o jornal literário é distribuído para cinco mil pessoas em todo o Brasil. No Rascunho, aproximadamente 200 colaboradores de várias regiões do país já publicaram suas resenhas, entrevistas, ensaios, artigos, contos ou poemas. Entre seus colunistas fixos, estão autores do porte de Nelson de Oliveira, Fernando Monteiro e José Castello. Vários outros já lançaram trabalhos inéditos no Rascunho – entre eles, Dalton Trevisan, Affonso Romano de Sant´Anna, Luiz Vilela, Lygia Fagundes Telles, Luiz Ruffato, Ivan Junqueira e Miguel Sanches Neto. O veículo tem 32 páginas, divididas em quatro cadernos distintos, e é publicado em edições mensais.