A noite de amanhã na 13.ª Oficina de Música Popular Brasileira será reservada a alguns dos maiores talentos da MPB. A chance de os alunos assistirem ao desempenho de seus mestres se transforma numa oportunidade imperdível do público apreciar de uma só vez a virtuosidade de instrumentistas como Proveta (clarinete), Léa Freire (flauta), Guello (percussão) e os irmãos Izaías (bandolim) e Israel Bueno (violão).

O show tem início às 21h, no Teatro da Reitoria, e se divide entre performances individuais, apresentações em duos e trios, e em momentos em que todos tocam juntos, numa demonstração da versatilidade desses músicos. O repertório inclui sucessos da MPB, mas principalmente composições próprias e algumas improvisações. O percussionista Guello pretende mostrar a percussão em sua linguagem pura, revelando todas as facetas desse gênero de instrumento.

Guello é um dos mais requisitados percussionistas brasileiros. Há mais de duas décadas vem atuando em importantes grupos, como o Trio Bonsai, a Orquestra Popular de Câmara, a banda da cantora Mônica Salmaso, a Banda Mantiqueira, entre outros. Gravou com as cantoras Zizi Possi e Joyce. Atualmente integra, com o percussionista Carlos Stasi, um dueto, com o qual desenvolve um trabalho mais autoral. Com ele interpreta composições bastante originais, como peças criadas para dois pandeiros.

Nailor Azevedo, o Proveta, que teve um desempenho memorável na noite de terça-feira, com a Orquestra à Base de Sopro, volta ao palco para novas interpretações. O clarinetista é o líder da Banda Mantiqueira desde 1991. A banda foi convidada a representar o Brasil em Portugal na Expo 98, participou do Free Jazz Festival no Rio de Janeiro e em São Paulo e, nesse mesmo ano, foi reconhecida internacionalmente e indicada ao Prêmio Grammy. Proveta participou de shows de grandes artistas brasileiros, como Simone, Raul Seixas, Agnaldo Rayol, Nelson Gonçalves, Martinho da Vila, Elza Soares, e de artistas internacionais Beny Carter, Roger Newman, Paul West, Anita Oday e Joe Willians.

Flautista e compositora, Léa Freire é exímia em unir o popular ao erudito, o formalismo à improvisação – exatamente o que o público vai poder conferir neste show. Léa já tocou com inúmeros artistas, entre eles, Alaíde Costa, Hermeto Pascoal, Cauby Peixoto, Djavan, Rick Pantoja e Leny Andrade. Tem parcerias com Joyce, que gravou músicas da dupla no Japão, Alemanha, Inglaterra e Brasil. Lançou seu primeiro CD, Ninhal, em 1997. Em 1998 integrou-se à banda de Teco Cardoso, com quem fez várias apresentações no Brasil e Estados Unidos.

Léa Freire passeia por todos os ritmos da música brasileira, inclusive o choro, especialidade também da dupla Izaías e Israel Bueno, membros do mais antigo grupo instrumental de São Paulo com formação original. Os irmãos são compositores de choro e mantêm o grupo Izaías e seus Chorões, que em 1999 recebeu o Prêmio Movimento da MPB como melhor CD Instrumental, pelo trabalho Quem não chora não ama.

Serviço

23.ª Oficina de Música de Curitiba – 13.ª Oficina de MPB. Concerto de Professores – Guello, Léa Freire, Proveta, Izaías e Israel Bueno. Teatro da Reitoria (Rua 15 de Novembro, 129)

Sábado, 22 de janeiro, às 21h. Ingressos: R$ 5,00.