Fausto Zero baseado na obra
do escritor alemão Goethe.

O Festival de Teatro de Curitiba começa hoje com apresentações simultâneas de três espetáculos: Sonhos de Einstein, da Intrépida Trupe, na Ópera de Arame, Investigação Sobre o Adeus, de Édson Bueno, no Sesc da Esquina e Aos que Vierem depois de Nós – Kassandra in process, num Barracão adaptado.

Até o ano passado, um número menor de pessoas conseguia assistir ao espetáculo de estréia, que acontecia somente na Ópera de Arame. Neste novo formato mais pessoas podem ter o prazer de participar do primeiro dia do evento.

Segundo os organizadores, o festival não é um evento; é um conjunto de eventos. Ao longo dos anos, toda a diversidade do FTC foi desdobrada em diversas mostras, que em 2004 somam mais de 600 apresentações.

Entre as atividades deste ano, a Mostra de Teatro Contemporâneo, cujos espetáculos foram selecionados pela curadoria por terem representatividade no panorama teatral brasileiro, inclusive com seis estréias nacionais; Mostra de Teatro Infantil -selecionados para esta Mostra também vêm a Curitiba a convite do festival. São espetáculos com produção de destaque no contexto das peças infantis encenadas no País; Fringe, o nome vem da similaridade com um evento escocês, que acontece em Edimburgo. O Fringe não tem uma curadoria, traz um grande número de espetáculos profissionais de companhias de vários estados. Este ano o Fringe atraiu a atenção de grupos estrangeiros e também de artistas consagrados no Brasil e Eventos Especiais – esses eventos acontecem durante o Festival, complementando a programação. São desfiles, oficinas, exposições e outras manifestações artísticas.

História

O Festival de Teatro de Curitiba nasceu numa mesa de restaurante. Sem saber ao certo o alcance e a força das idéias que ali nasciam, um grupo de jovens amigos dava os primeiros passos para o que viria a ser um dos mais importantes eventos de teatro da atualidade. Os estudantes Leandro Knoplholz e Carlos Eduardo Bittencourt, então com 18 e 22 anos, tinham acabado de ver a peça New York, New York, de Edson Bueno, no Teatro Guaíra e resolveram esticar a noite num dos diversos restaurantes da cidade. Enquanto escolhiam os pratos do cardápio, lamentavam o parco número de peças de teatro em cartaz na cidade. Leandro, talvez entusiasmado pelo espetáculo que tinha acabado de ver, sugeriu ao amigo que ao invés de apenas lamentar, poderiam organizar um festival na cidade.

A partir daí começou o corre-corre: campanha, patrocínios, programação e produção. Leandro e Carlos chamaram os amigos Cássio Chamecki e Victor Aronis Em dezembro de 1991 eles promoveram a festa de lançamento do festival, que iria estrear no dia 19 de março do ano seguinte. A edição 1992 do festival trouxe ao Paraná grandes nomes do teatro brasileiro, como Antunes Filho, José Celso Martinez Correia e Gabriel Vilella. Quando viram os convidados no saguão do hotel, os amigos sentiram um frio na barriga: “Meu Deus, olha só o que a gente fez.” Ao longo desses anos, 747 espetáculos para um público estimado em 700 mil pessoas.

Fringe se mantém como a maior mostra

Uma casa, um bar, um telefone público, um Hostel, assim mesmo, com s. Todos estes são espaços alternativos onde acontecem alguns dos espetáculos do Fringe. As 142 peças também ocupam diversos teatros da cidade, como o José Maria Santos e o Paulo Autran. São tantas as companhias que não vai haver local da cidade onde não se encontre uma trupe ensaiando, se maquiando, cantando, ou se apresentando. O Fringe, até por seu tamanho, ajuda muito a fazer do Festival de Teatro de Curitiba a grande vitrine que é. Há espetáculos para todos os gostos, comédias, tragicomédias, tragédias, dramas e até montagens de teatro-dança. A programação é farta e variada. Antes de fazer as escolhas, o espectador pode consultar as sinopses e notícias sobre as peças neste site ou no guia impresso. Os ingressos variam de R$ 8 a R$ 20. O Fringe oferece ainda 19 atrações grátis,

Destaques do FTC

Dois clássicos, Fausto de Goethe e Othelo de Shakespeare estão sendo, por enquanto, as maiores atrações do Festival. Goethe é dirigido por Gabriel Villela e no trabalho principal, a atriz Walderez de Barros e o ator Alvise Camozzi.

Os dois dias de apresentação de Otelo foram os primeiros a terem seus ingressos completamente esgotados. A tragédia a ser apresentada na Ópera de Arame pela companhia paulistana Folias D’Arte foi a primeira do festival a finalizar a venda de seus ingressos na bilheteria. O drama de Othelo, Iago e Desdêmona é dirigido por Maria Sílvia Betti e a dramaturgia é de Reinaldo Maia.

Drácula e a Dança dos Vampiros

Drácula e a Dança dos Vampiros de João Luiz Fiani usa a consagrada fórmula do diretor curitibano que mistura terror e comédia. Com atuações fortes e por vezes exageradas o espetáculo foi inspirado nos filmes do expressionismo alemão, como “Nosferatu” e “O Gabinete do Doutor Caligari”, e a própria “Dança dos Vampiros” de Polanski. O diretor importou desses filmes a forma de atuação dos atores. Assim como no filme, o personagem do assistente é inspirado diretamente no personagem de Hutter em Nosferatu.

A trilha composta especialmente pelo músico paranaense Celso Piratta, assim como o texto que equilibra muito bem tensão e humor, fazem deste espetáculo pura diversão. Entre as cenas antológicas, destacam-se: o assédio do vampiro gay ao assistente Ali, o professor entalado numa janela, congelando pela metade, é claro, a cena que dá o nome ao espetáculo.

Com um elenco afinado de comediantes como Marino Jr (Nem Freud Explica) e Ade Zanardini (Eu quero sexo 3) torna-se difícil conter a riso nesta produção com assinatura da Cia Máscaras de Teatro e do Núcleo de Profissionalização Teatral do Teatro Lala Schneider.

Drama inglês 100 estréia na América do Sul

Com três apresentações no Guairão, 100 é um drama que mistura realidade e ilusão para contar a história de 5 personagens, utilizando-se apenas de 4 bambus e uma laranja no cenário.

Os diretores Diene Petterle e Christopher Heimann (ela curitibana, ele alemão), tiveram influências de Gabriel García Marquez e seu obra Cem Anos de Solidão, além do teatro fantástico para a composição da peça.

Espetáculo estréia na sexta às 21h.