Alemães, poloneses, ucranianos, japoneses, italianos, paulistas, gaúchos. A pluralidade de origens históricas é uma das características mais marcantes do Paraná e é ela que confere ao Estado sua peculiar multiplicidade cultural. Nele, influências trazidas por imigrantes europeus e orientais se misturam com harmonia às manifestações populares de tradições luso-brasileiras, indígenas e africanas. A região é um verdadeiro caleidoscópio cultural, que será apresentado ao público francês a partir de terça-feira, durante a Semana do Paraná no Espaço Brasil, em Paris.

A música é a grande vedete da programação: três grupos, de diferentes estilos, vão se revezar entre o auditório (180 lugares) e palco principal (1.500 lugares) do Carreau du Temple para apresentar ao público um pouco da diversidade cultural do Estado. A tradição interiorana será representada pela Orquestra Paranaense de Viola Caipira, de Cascavel, que resgata o instrumento em suas raízes.

Outra faceta da cultura musical paranaense será mostrada pelo Grupo Fato, que mistura world music ao fandango paranaense, folclore regional de origem espanhola e influência portuguesa, batizado pela dança dos índios carijós à época da colonização. Para completar, o grupo Três no Choro presta uma homenagem à música instrumental brasileira, apresentando um repertório recheado de choro e bossa nova.

Peças de cinco artesãos paranaenses – Antônio Pereira dos Santos, Laurentino Rosa dos Santos, Ivan Cordeiro, Luiz Pompeo e Donizzete do Vale – selecionadas pelo curador Ronaldo Barbosa, já estão expostas na Galeria de Arte Popular do Carreau du Temple numa grande mostra que reúne trabalhos de artistas dos sete estados participantes da segunda etapa do Espaço Brasil.

O Paraná também participa da exposição ?Diversidade na Arte Contemporânea Brasileira?, que ocupa a Galeria de Arte Contemporânea do Carreau até 11 de setembro, último dia de funcionamento do Espaço Brasil. Dentre os 22 artistas participantes da mostra, três são paranaenses: Eliane Prolik, Carina Weidle e Julia Stein. Além disso, a exposição multimídia ?Antologia da Fotografia Paranaense? apresentará trabalhos de 14 fotógrafos do Estado, como Nego Miranda, Daniel Katz, Zig Koch e João Urban.

A agricultura orgânica também será assunto na Semana do Paraná. Na área dos estandes, o público vai poder conhecer essa vertente da gastronomia do Estado, através da degustação de alimentos orgânicos, geléias, cachaças, erva-mate, chás, compotas doces e salgadas e produtos orgânicos diet – etc. Além disso, serão expostas mais de mil peças do artesanato local, apresentadas pelo Programa do Voluntariado Paranaense – Provopar.

São trabalhos executados em palha de milho, de trigo, marchetaria, madeira, tecido, trama em seda, fibra natural, cerâmica, todos à venda. Haverá ainda um estande dedicado à literatura, que terá três livros à venda: Bicicletas de Montreal, do artista plástico, fotógrafo e escritor Carlos Dalla Stella; o álbum Como se vai a Curitiba, editado originalmente em 1962 com desenhos de Poty Lazzarotto; e o álbum Ex-Libris, selecionado do acervo da Biblioteca Pública do Paraná.