O Museu Oscar Niemeyer abre nesta quinta-feira (28) para convidados a exposição ?Volpi ? O mestre de sua época?, primeira individual do artista em Curitiba e uma das maiores exposições do ano no Paraná. Ao todo serão 117 obras, feitas entre 1920 e 1970, organizadas pelo curador Olívio Tavares de Araújo. Os quadros pertencem a 40 colecionadores brasileiros. A mostra será aberta ao público na sexta (29) e fica aberta até o dia 30 de setembro.

?Esta exposição será um marco para o museu porque as obras de Alfredo Volpi contam uma parte importante da história da pintura brasileira?, disse a presidente do Museu, Maristela Requião.

Entre os quadros que serão expostos estão Manequins e Melancias (1950), Costureira (1940), Vista de Santos com o Mar ao Fundo (início dos anos 50), Sereia (1960), Grande Barco Negro (1960) e as composições com bandeirinhas. O quadro símbolo desta exposição será Bandeirinhas e Mastros, pintada na metade dos anos 60.

Artista

Alfredo Volpi nasceu em Lucca, Itália, em 14 de abril de 1896. Dois anos depois a família imigrou para o Brasil e foi morar no Cambuci em São Paulo, bairro onde passou toda a vida. O pai, Ludovico Volpi, abriu um pequeno comércio de queijos e vinhos para manter a família. Ainda criança, Alfredo começou a trabalhar como entalhador, encadernador e outros ofícios manuais.

Ele foi alfabetizado em italiano e falava com sotaque. Apesar de nunca ter se naturalizado, Volpi sempre dizia que o seu coração era braleiro. Ele voltou apenas uma vez a Itália, em 1950.

O pintor ítalo-brasileiro é considerado pela crítica como um dos artistas mais importantes da segunda geração do modernismo, apesar de não ter participado da Semana de Arte Moderna de 1922.

Autodidata, começou a pintar em 1911, executando murais decorativos. Em seguida, trabalhou com óleo sobre madeira. Sempre valorizou o trabalho artesanal, construindo suas próprias telas e pincéis. As tintas eram feitas com pigmentos naturais, usando a técnica de têmpera.

Foi ainda pintor-decorador, em residências da sociedade paulista da época. Fez a primeira exposição individual aos 48 anos de idade. Segundo o curador Olívio Tavares de Araújo, Volpi não teve acesso ao movimento modernista, apoiado pela elite intelectual e social da época. ?Se ele entrou alguma vez nestas residências foi de tamanco e carregando baldes de cal, para trabalhar e não para conversas inteligentes e saraus?, disse.

Bandeiras

Na década de 40, através das paisagens de Itanhaém, começou a delinear um novo caminho na pintura.

Nos anos 50 Volpi já era um pintor respeitado, principalmente pelos críticos. Neste período passou para o abstracionismo geométrico e iniciou a série de bandeiras e mastros de festas juninas. Em 1954 recebeu o prêmio de Melhor Pintor Nacional na 2ª Bienal de São Paulo e três anos depois foi um dos integrantes da 1ª Exposição de Arte Concreta.

Fez parte do prestigiado Grupo Santa Helena, assim chamado porque todos os participantes tinham como local de trabalho o palacete do mesmo nome. Faziam parte deste grupo Aldo Bonadei, Mário Zanini, Clóvis Graciano, Fúlvio Penacchi e outros que se voltaram para a pesquisa, desenvolvimento de técnicas apuradas e observação.

A partir da década de 60 as bandeirinhas passaram a ser signos, formas geométricas compondo ritmos coloridos e iluminados. Volpi morreu aos 92 anos, em 1988, em São Paulo.

Serviço:
Museu Oscar Niemeyer
Volpi ? o mestre de sua época
De 29 de junho a 30 de setembro
De terça a domingo, das 10h às 18h
R$ 4,00 adultos e R$ 2,00 estudantes
(estão isentos do pagamento de ingresso crianças de até 12 anos, maiores de 60 anos e grupos agendados de estudantes de escolas públicas, do ensino médio e fundamental)
Patrocínio Copel