enkontra.com
Fechar busca

+ Pop

mais-pop

Ney Matogrosso inicia turnê de ‘Bloco na Rua’,

  • Por Estadão Conteúdo

Depois de cinco anos com sua mais longa turnê, Atento aos Sinais, Ney Matogrosso estreia nesta sexta, 11, no Rio, o espetáculo intitulado Bloco na Rua, uma referência à música que abre o show, Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua, que Sérgio Sampaio lançou em 1972. A estreia de Ney, sempre envolta em expectativa, será no teatro Vivo Rio, onde fica até 19 de janeiro. A cidade de São Paulo o verá nos dias 29, 30 e 31 de março, na casa Tom Brasil, com ingressos já sendo vendidos.

A espera por um novo show de Ney explica-se também pela relação invertida que o artista desenvolveu para seus lançamentos. Como fez com Atento aos Sinais e outros álbuns, ele vai primeiro para o palco, sente o que funciona mais e, só depois, segue para o estúdio. Bloco na Rua é um show ainda mais aguardado por outras razões: estaria Ney vindo com uma aparição mais politizada, reafirmando lutas ou dirigindo discursos específicos para a nova conjunção política? Quantas trocas de roupa faria? Quais músicas vai cantar? Comportado, rebelde, ensandecido, provocador, quem é o Ney do novo show que estreia em seus 77 anos de vida?

Ele mesmo vai respondendo. Sobre a pegada mais ou menos política: “Nunca fiz shows com discursos e nunca falo no palco, deixo que as músicas falem em suas letras. Eu não faço política partidária e nunca fiz, mas, se você perceber, as letras das canções dão seus recados”. Ele lembra que Bloco na Rua é um show roteirizado há mais de um ano, “quando Jair Bolsonaro nem era uma possibilidade ainda”. “Vai ter momentos fortes em que as pessoas podem ter essa interpretação mais politizada também.” Ele fala de um repertório que ensaia fortemente há um mês. Depois da abertura de Bloco na Rua, Ney lembra de Rita Lee em sua fase Tutty Frutty com Jardins da Babilônia, e depois O Beco (dos Paralamas). Cazuza, o amor de sua vida, é lembrado desta vez com Mais Feliz, e Raul Seixas, com A Maçã. Ele resgata do próprio repertório Pavão Misterioso, de Ednardo, uma crítica política na época de ditadura, e busca de Chico Buarque a recente Tua Cantiga, música que causou polêmica por uma letra considerada machista por algumas pessoas. “Quando teu coração suplicar / Ou quando teu capricho exigir / Largo mulher e filhos e de joelhos vou te seguir”, escreveu Chico. “Mas que bobagem essa patrulha”, diz Ney.

“Como se Chico estivesse mandando todo mundo largar a mulher e os filhos. Como se a letra de uma música pregasse uma verdade absoluta. Aquilo é uma música, uma linda música que fiz questão de incluir. As pessoas precisam de liberdade para criar.”

A fase Secos e Molhados estará representada por Sangue Latino (de Paulinho Mendonça e João Ricardo, que Ney gosta de dizer que é “sua música” tamanha identificação com ela) e, no bis, Mulher Barriguda, de Solano Trindade e João Ricardo. A única inédita será Inominável, de Dan Nakagawa. Sobre trocas de roupa, Ney conta que não vai haver. Ele não revela como será seu figurino, diz que essa é uma das surpresas que guarda para o show. A última vez em que tocou sem trocas, lembra, foi em Beijo Bandido, do disco de 2009.

Se pretende fazer mais uma turnê de cinco anos ou mais, Ney diz que nunca pensa em levar tanto tempo no palco. “O que houve com Atento aos Sinais é que eu não poderia ir contra algo que vinha em minha direção. As pessoas iam contratando o show e nós íamos fazendo. Quando faço shows, são shows para dois ou três anos, no máximo.” Ney conta que nunca usou dinheiro de Lei Rouanet em seus shows. E que, na única vez em que pediu para captar, seu pedido foi negado. “Acho até bom que tenha sido. Assim não corro o risco de ir parar em boca de Matilde.”

Sobre as possíveis mudanças na Lei, como a criação de uma comissão que avalie a “qualidade artística” dos projetos, há um temor. “Isso parece censura.” O governo, em geral, nunca foi alvo de Ney em suas entrevistas. Ele sempre disse que deveriam deixar as coisas acontecerem primeiro. Agora, com Bolsonaro na Presidência, o que ele pensa? “Estou achando muito confuso, com umas pessoas estranhas nos ministérios. Pensei que seriam mais claros no que estavam querendo, que soubessem o que pretendiam.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas