Obra de Sigmar Polke:
caleidoscópio de estilos.

Manchas, gotas, o rastro das tintas que escorrem livremente pela superfície da tela. Cores que parecem fluir para o lugar certo, compondo um conjunto harmonioso e equilibrado. Interligando esses elementos “aleatórios”, resquícios de pop art, arte figurativa, expressionismo e ilustrações em bico de pena. São características da obra do artista plástico alemão Sigmar Polke, que abre exposição hoje às 19h na Casa Andrade Muricy, depois de ter percorrido importantes circuitos culturais, como Moscou, Istambul, Ancara e Eslovênia no ano passado, e algumas capitais brasileiras no início deste ano. A promoção é do Instituto Goethe Inter Nation.

Intitulada Sigmar Polke: Música de Uma Fonte Desconhecida, a mostra – que segue para Assunção na seqüência -apresenta quarenta trabalhos em guache, produzidos em 1996. Polke é considerado pela crítica alemã um artista de grande força renovadora, perseguidor incansável da inovação. Sua busca abrange inclusive o passado, ou o que está muito distante. Os trabalhos tentam revelar, pelas novas descobertas, aquilo que não tinha sido percebido anteriormente. Assim ele incorpora a ironia, que se traduz num estilo mordaz e satírico, próprio das histórias em quadrinhos.

O humor de Polke também transborda nos inacreditáveis títulos que dá às suas obras, como Muito ar e ainda mais luz são os maiores inimigos dos insetos (1996), ou Quando a demanda por descansa-talheres for atendida, poderia ser criado um mercado para protetores de descansa-talheres, para os quais, por sua vez, seria necessário todo um sortimento de produtos de manutenção (1996).

Ao contrário de outros modernistas, Sigmar Polke não partiu da arte para suas descobertas. Seu ponto de partida foi a realidade e aquilo que ela poderia vir a ser. Sua produção pode ser definida como a “sensualização do ato de pensar, o pensar ancorado na percepção onde entra a música, uma vez que ela não deixa de ser um alegre hino ao pensar”.

***

Até dia 29 na Casa Andrade Muricy (Al. Dr. Muricy, 915), com visitação de terça a domingo, das 10 às 20h. Ingressos a 3 reais e 1 real para estudantes. Entrada livre às terças, e para portadores de deficiência, maiores de 65 e menores de 7 anos.