Desde o início da teledramaturgia, a separação dos casais em novelas é assunto dos mais óbvios nos folhetins. Mas, com as mudanças na moralidade ao longo das décadas, os obstáculos para a felicidade dos casais têm se transformado em dor de cabeça para os autores. Hoje em dia pode parecer difícil entender, por exemplo, que uma mocinha tenha de se separar do mocinho porque as famílias se odeiam. O avanço tecnológico também mudou e derrubou as fronteiras amorosas de comunicação. Na atualidade é mais difícil mostrar credibilidade nos desencontros quando todos estão ao alcance do celular e da Internet.

?Os filhos não respeitam mais os pais como antigamente. Argumentos como desrespeito não têm credibilidade em novelas. O novo comportamento faz com que a gente fuja dos clichês folhetinescos?, avalia Silvio de Abreu, supervisor de Beleza Pura, de Andrea Maltarolli.

Na trama das sete da Globo, os filhos tomaram a posição dos pais. Eduardo e Débora, personagens de Antônio Calloni e Soraya Ravenle, tiveram de se separar por um tempo por pressão das filhas de ambos, Luísa e Fernanda, de Bianca Comparato e Monique Alfradique, respectivamente. ?Os pais foram impedidos como os adolescentes de antigamente. A história se inverte e mostra o sinal dos tempos?, analisa Antônio Calloni.

Mais surpreendente ainda é um vilão se transformar em mocinho e reconquistar a mocinha roubada por este vilão humanizado e arrependido. Esta foi a inusitada história dos personagens Marconi Ferraço e Maria Paula, de Dalton Vigh e Marjorie Estiano em Duas Caras. Para separar o casal principal da história, Aguinaldo Silva teve de transformar o provável mocinho num vilão para que o público apoiasse esse rompimento. ?Essa nova faceta do rompimento foi muito interessante. Foi inovador?, anima-se Dalton Vigh.

Na mesma trama, o racismo que impedia o envolvimento de Evilásio e Júlia, de Lázaro Ramos e Débora Falabella, só durou poucos capítulos. ?Que bom que barreiras como essas não existem mais! O Aguinaldo mostrou o que estava no subconsciente brasileiro?, confia Lázaro.

Tantas novidades e mudanças de costumes não são tão bem aceitas para Antônio Calmon, que em breve estréia Três Irmãs na Globo. ?O comportamento vanguarda nessas separações é bem aceito pela elite. Mas, no interior do país, os antigos clichês ainda são muito válidos. Fora isso, a igreja e a censura disfarçada nos obriga a seguir padrões de comportamento?, critica. Um dos padrões aceitáveis atualmente é de personagens que se relacionam com diversos homens antes de retornar ao namorado inicial. Tal comportamento tão comum seria imperdoável décadas atrás.

Para a Band, não é demérito construir uma trama dentro dos padrões previsíveis da antiga teledramaturgia, recheado de clichês, como casais que se separam por pressão familiar. Em Água na Boca, Danielle e Luca, de Rosane Mulholland e Caetano O?Maihlan, se apaixonam e terminam pela inimizade das famílias. ?Queremos fazer tudo dentro dos padrões. Sem cenas de sexo e uma história clássica, que seja atrativa para toda a família?, defende Elizabetta Zenati, diretora artística da emissora.

Distante da previsibilidade de alguns autores, outros escritores optam por investir na inovação ao separar casais. Em Malhação, a autora Patrícia Moretzsohn mostrou a protagonista adolescente Angelina, de Sophie Charlotte, terminando seu namoro com Gustavo, de Rafael Almeida, por ter ficado grávida de outro. ?O próprio fato dela não ser mais virgem já seria impensável em outros tempos. Essa separação, por ter traído e engravidado de outro, mostra como estamos mais avançados?, exemplifica Patrícia.

Separações de outrora

Nem todas as tramas de época retratam as condutas antiquadas do período em que se passam. Para aproximar ainda mais as novelas de época do comportamento contemporâneo, os autores amenizam com histórias mais românticas a ?avançada? moral da atualidade. Em Desejo Proibido, por exemplo, Walther Negrão ?provocou? a Igreja Católica ao mostrar um padre apaixonado por uma mulher.

A história do Padre Miguel, de Murilo Rosa, e Laura, de Fernanda Vasconcellos, não chegou a receber tantas críticas. O mesmo comportamento contemporâneo não foi utilizado em Ciranda de Pedra, trama das seis da Globo. Laura, de Ana Paula Arósio, teve um caso extraconjugal com o médico Daniel, de Marcelo Antony.

A personagem se separou do amante por um tempo por medo de perder a guarda das filhas com Natércio, seu marido vivido por Daniel Dantas. ?O empecilho dessa relação é o medo que a Laura tem do marido não deixar que ela veja as filhas. Isso é bem antigo. Daria para acreditar na década de 50?, concorda Ana Paula.