O artista português Julião Sarmento gosta de trabalhar por séries e em fevereiro ele começou uma nova, dedicada à cor. “Em 1990, decidi pelo branco e preto e, depois, usei uma paleta sempre reduzida”, diz Sarmento, que inaugura hoje, na Galeria Fortes Vilaça, em São Paulo, a mostra “Remarks on Colour 3”, com pinturas, obras sobre papel e vídeo.

Apesar de qualquer motivo que o artista relaciona, como agora, a inspiração na obra “Observações Sobre a Cor” do filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein, Sarmento sempre coloca em destaque em sua obra a figura feminina, assim como referência aos “conceitos de sedução e desejo”. Por exemplo, uma de suas séries conhecidas é “Silhuetas Negras”, do início dos anos 2000 e que trazem cenas pornográficas representadas em preto e branco com apenas as silhuetas de personagens masculinos e femininos, chegando quase a uma abstração.

Agora, na nova mostra, Sarmento dá às cores – primárias (vermelho, amarelo, azul, além do branco e preto) – espaço demarcado. As composições trazem ainda elementos da arquitetura (com a serigrafia de fotos de casas e imagens de plantas arquitetônicas) e a mulher está nas representações do artista de maneira explícita ou pela ausência. “Ela está em todo lado.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Julião Sarmento – Galeria Fortes Vilaça (Rua Fradique Coutinho, 1.500). Tel. (011) 3032-7066. 10 h/ 19h (sáb., 10 h/ 18 h; fecha dom. e 2ª). Até 18/6.