A Cinemateca de Curitiba (R. Carlos Cavalcanti, 1174) realiza na próxima semana, com apoio do Centro Técnico Audiovisual do Ministério da Cultura, a mostra ?Cinema, Trabalho e Memória Operária?, com a exibição de filmes documentários que tratam das relações de trabalho, dos movimentos sindicais e dos meios alternativos de geração de renda no Brasil. A mostra acontece de 1º a 4 de maio, com entrada franca.

A programação é a seguinte:

Dia 1º – Segunda-feira
Às 15h e 19h
FEMININAS, Brasil/PR, 1990, de Werner Schumann. Documentário. Sobre mulheres curitibanas que se ocupam de atividades tradicionalmente exercidas por homens (15?).
PALAVRA DE ORDEM, Brasil/PR, 1979, de Homero de Carvalho. Documentário. A comemoração operária de 1º de Maio de 1979 em Curitiba, histórica, por romper com a proibição e intimidação da ditadura militar (7?).

LIBERTÁRIOS, Brasil, 1976, de Lauro Escorel. Documentário. A influência do movimento anarquista na conscientização do nascente operariado brasileiro no final do século XIX e começo do século XX. O acelerado processo de industrialização forma um proletário urbano com marcante presença de imigrantes italianos de formação anarquista. As primeiras greves a partir de 1917, os efeitos da revolução comunista ocorrida da Rússia exacerbam a repressão contra o anarquismo, que praticamente se aniquila com prisão e deportação dos seus principais líderes (29?).

Às 17h e 21h
HARLAN COUNTY, UMA TRAGÉDIA AMERICANA (Harlan County), EUA, 1977, de Barbara Kopple. Documentário. Entre 1900 e 1938 no Kentucky, trabalhadores da Eastover Mining Company, de extração de minérios, entraram em conflito com a empresa e sua luta se tornou um marco no movimento sindical norte-americano. Ganhador do Oscar de melhor documentário/1977 (103?).

Dias 2, 3 e 4 ? Terça, quarta e quinta-feira, às 19h
NA SANTA FELICIDADE, Brasil/PR, 1978, coletivo. Documentário. As atividades artesanais tradicionalmente cultivadas no bairro de Santa Felicidade em Curitiba (15?).

CANTOS DE TRABALHO, Brasil, 1955, de Humberto Mauro. Documentário. O ritmo de músicas inspiradas nas atividades do trabalho, o canto do pilão, do barqueiro e da pedra (10?).

RENDEIRAS DO NORDESTE, 1974, de Ipojuca Pontes. Documentário. O artesanato refinado das rendeiras de bilros no litoral do Ceará, ao som da música do Quinteto Armorial (16?).

CASA GRANDE & SENZALA, Brasil, 1973, de Geraldo Sarno. Documentário. Descrição da relação familiar e das relações entre senhores e escravos nas casas de fazendas e engenhos de açúcar, através de depoimento do autor do livro-título, o sociólogo Gilberto Freire (1900-1987), e de imagens e gravuras documentais de Debret, Rugendas e Cardoso Aires (15?).