A cantora, atriz e cineasta Vanja Orico, nome artístico de Evangelina Orico, morreu nesta quarta-feira, 28, no Rio de Janeiro, aos 85 anos, vítima de complicações decorrentes de câncer no intestino. Ela também sofria de mal de Alzheimer e estava internada no Hospital Copa D’Or, em Copacabana (zona sul), desde o dia 11.

Vanja, filha do escritor Osvaldo Orico (1900-1981), tornou-se famosa em 1953, quando cantou “Mulher Rendeira” no filme “O Cangaceiro”, premiado no Festival de Cannes e sucesso mundial. Depois atuou em outros filmes do chamado Ciclo do Cangaço, passando a ser considerada musa do gênero. Além de “O cangaceiro”, participou de “Lampião, o rei do cangaço” (1964), “Cangaceiros de Lampião” (1967) e “Jesuíno Brilhante, o cangaceiro” (1972).

O início de sua carreira ocorreu quando Vanja morava na Itália. Ela foi descoberta pelos cineastas Alberto Lattuada e Federico Fellini quando atuava em Roma no show chamado Macumba, patrocinado pela RAI (Rádio e TV Italiana), em 1952.

Vanja atuou em diversos filmes nacionais e estrangeiros, entre os quais “Mulheres e luzes”, quando cantou o tema folclórico “Meu limão, meu limoeiro”. Em “Lampião, O rei do cangaço”, de Carlos Coimbra, trabalhou com o ator Leonardo Vilar. Também atuou em “Lucci Del Variata”, de Federico Fellini e Alberto Lattuada.

Vanja é mãe do cineasta Adolfo Rosenthal, de 53 anos, de seu casamento com o engenheiro francês André Rosenthal, que morreu em 1999.

Ela será enterrada nesta quinta-feira, 29, no cemitério São João Batista, em Botafogo (zona sul do Rio).