O cineasta britânico Peter Yates, conhecido por ter feito Steve McQueen dirigir em alta velocidade pelas ruas de São Francisco (EUA) num Mustang em “Bullitt”, morreu aos 81 anos em Londres. Um comunicado da agente de Yates, Judy Daish, disse que ele faleceu ontem, após uma longa doença.

Graduado pela Academia Real de Arte Dramática de Londres, Yates, que dirigiu grandes atores como Albert Finney e Maggie Smith, criou uma das mais famosas sequências de ação do cinema: a perseguição de carros de “Bullit”, filme de 1968 que ganhou o Oscar de Melhor Edição e quatro Globos de Ouro: direção, montagem, trilha sonora e ator coadjuvante (Robert Vaughan).

Nascido em Aldershot, no sul da Inglaterra, Yates foi ator no teatro e tentou o automobilismo antes de voltar-se para o cinema, primeiro como editor e depois como diretor-assistente de filmes como “Um gosto de mel”, de Tony Richardson, e “Os canhões de Navarone”, de J. Lee Thompson. Seu primeiro filme como diretor foi “Summer Holiday”. Na Grã-Bretanha ele também dirigiu “Robbery”, baseado no assalto de 1963 conhecido como “o grande roubo do trem”. Foi com essa obra que ele se tornou conhecido como um talentoso diretor de cenas de ação.

Em Hollywood, Yates fez “Bullitt” e outros filmes bem recebidos, como o thriller de guerra “Murphy’s War”, com Peter O’Toole, e o drama “Os amigos de Eddie Coyle”, estrelado por Robert Mitchum. Também fazem parte de sua vasta filmografia os filmes “John e Mary”, “Sob Suspeita” e “O Fiel Camareiro”.

Yates foi indicado ao Oscar quatro vezes. Primeiro como melhor diretor e melhor produtor por “O Vencedor” (1979) e, em seguida, nas mesmas categorias, por “O Fiel Camareiro” (1983), adaptação da peça homônima de Ronald Harwood. As informações são da Associated Press.