A relação da expressão sulista fora da casinha, que significa uma loucura do bem, segundo a psiquiatria, com questões antropológicas, medievais e religiosas é a essência da segunda edição de Fora da Casinha – Uma análise histórica da loucura através dos séculos, do médico e psiquiatra Paulo Rogério Bittencourt.

Em suma, o livro avalia a relação existente entre o ser humano e sua mente. O iluminismo, considerado pelo autor como a principal corrente filosófica do mundo ocidental moderno, é o ponto partida do livro de 300 páginas.

“Começo afirmando que essa corrente, o iluminismo, deve ser arquivada. Ela deixou de ser relevante. Baseio minha afirmação nas análises feitas das civilizações africanas, árabes, chinesas, indianas e americanas. O iluminismo está falido”, afirma.

Depois disso, o autor aborda detalhadamente a história científica das religiões. “Nesse momento busco o que há de real sobre Cristo, Maomé e Buda. Pesquisei sobre a vida desses personagens históricos. Todas as minhas fontes de pesquisa estão presentes no livro”, diz.

Dentro desses personagens, o autor detalha também o fim da banda The Beatles. “Existe uma história interessante sobre como as drogas contribuíram para o fim dos Beatles. John Lennon era na verdade viciado em heroína e Paul Mc Cartney e os outros integrantes em coisas mais benignas. Eles, em parte, acabaram se separando por conta disso”, explica Bittencourt, referindo-se aos caminhos mentais diferentes gerados em virtude das drogas utilizadas pelos músicos.

Anderson Tozato
Até Vicente Del Bosque, campeão mundial, em 2010, é analisado no livro.

Para compreender todas as situações citadas no livro, no entanto, Bittercourt recomenda ao leitor alguns acompanhamentos. “Trata-se de um livro único. Que aborda assuntos largos e espinhosos, que exigirão esforço dos leitores. Recomendo a companhia de resenhas em português da Bíblia, das depressões de Robert Burton, da vida de Joana D’Arc, mapas mundiais e informações dos trípticos medievais”, revela o autor.

A recente final da Copa do Mundo, realizada ano passado na África do Sul, também entrou no livro de Bittencourt. A vivência do dramático jogo que deu à seleção espanhola o título de campeã mundial de futebol em cima da Holanda destacou no psiquiatra a calma e controle do técnico espanhol Vicente Del Bosque.

“Virei fã incontestável de Vicente Del Bosque. Ele liderou um time formado praticamente por jogadores do Barcelona, que são opostos à Vicente, ex-Real Madrid”, diz.

Segundo ele, diferente da seleção brasileira, os espanhóis souberam controlar as provocações feitas pelos holandeses. “No fim da partida aconteceu o gol. Eles esperaram os holandeses fazerem coisas ridículas, que os brasileiros caíram, para dar o bote. Eles deixaram o touro sangrar para arrematar no final”, opina.

Serviço

O livro Fora da Casinha – Uma análise histórica da loucura através dos séculos, do psiquiatra Paulo Rogério Bittencourt, foi lançado em outubro e pode ser adquirido nas Livrarias Curitiba ou através do site www.unineuro.com.br.