Suportes e técnicas variadas destacam-se nos trabalhos que o artista plástico curitibano Juliano Debarros apresenta na exposição "quase-paisagem", em cartaz na Casa Culpi, a partir das 19h desta quinta-feira (23). São 12 obras em cera e óleo sobre celulose, três criações que unem xilogravura e costura, mais duas pinturas em cera, óleo, folha de ouro e microesfera sobre tela, todas produzidas entre 2004 e 2005. A mostra permanece aberta ao público até o dia 30 de abril.

Nas obras inéditas reunidas em "quase-paisagem", Juliano Debarros reafirma seu interesse pelo vazio como elemento de estrutura para o espaço. O artista utiliza materiais diversos, que adquirem novos significados e instigam o espectador. As gravuras fogem da apresentação tradicional, sendo a técnica da xilo sobre papel japonês o fundo para o desenho feito pela costura. Em outros trabalhos, o desenho transforma-se em suporte para pinturas realizadas sobre celulose pura.

Formado em Gravura pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná, onde também cursou História da Arte do Século XX, Juliano tem no currículo várias participações em salões de artes e exposições, com destaque para a itinerante "Labirinto da Opacidade" (2001) – que percorreu o interior do Paraná – e a individual "A Poética do Espaço" (2001), em João Pessoa (Paraíba). Entre as mostras coletivas estão as realizadas no Memorial de Curitiba (2001), em parceria com Fernando Bini, e "Seis Artistas Contemporâneos do Paraná (2001), na Casa da Música Brasílio Itiberê (Paranaguá).

Serviço
Casa Culpi – Memorial da Imigração Italiana
(Av. Manoel Ribas, 8.450 – Santa Felicidade)
Exposição "quase-paisagem", com obras do artista Juliano Debarros
De 23 de março (abertura às 19h) a 30 de abril de 2006
Horário de visitas: de terça a sexta-feira, das 9h às 18h; sábados e domingos, das 9h às 14h
Entrada franca