O escritor pernambucano José Luiz Passos foi o grande vencedor da 11ª edição do Prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa, entregue na quarta-feira, 04, à noite no Auditório Ibirapuera. Ele venceu na categoria romance com “O Sonâmbulo Amador” e ainda ganhou o Grande Prêmio, conferido à melhor obra nas três categorias concorrentes: romance, poesia, conto e crônica. Na categoria conto venceu a escritora gaúcha Cíntia Moscovich com o livro “Essa Coisa Brilhante que É a Chuva”. O vencedor da categoria poesia foi o carioca Eucanaã Ferraz com o livro “Sentimental”.

O “Sonâmbulo Amador” (Alfaguara), de José Luiz Passos, conta a história de um funcionário de indústria têxtil pernambucana que relembra fatos passados nos anos 1960 na clínica psiquiátrica em que está internado. Esse interesse por uma época que não viveu está presente em outras obras do autor, nascido em Catende há 42 anos. Casado, com dois filhos e morando nos EUA, Passos contou, ao receber o prêmio, que sua filha mais velha, Cecília, de 7 anos, teve uma premonição sobre sua vitória no Portugal Telecom. “Ela perguntou se eu ganhara o prêmio São Paulo e eu disse que não”, contou o escritor. “Então, Cecilia disse que não me preocupasse, pois o outro prêmio seria meu.”

Passos escreve agora um romance ambientado no presente, “História Natural da Visita”, livro, segundo ele, “sobre a imensa capacidade de metamorfose das pessoas que se preparam para visitar locais como cemitérios e igrejas”. “Ele foi inspirado por uma visita a um armeiro húngaro que vivia em Recife e participou da 2ª Guerra”, revela Passos, que define essa relação com a história como condutora de sua carreira de escritor. Seu primeiro livro, “Ruínas de Linhas Puras” (Annablume, 1998), tratava de Mário de Andrade. O segundo, “Romance com Pessoas” (de 2007, que será reeditado pela Alfaguara), analisa a obra de Machado de Assis.

A vencedora da categoria conto, Cíntia Moscovich, também prepara novo romance. Seu título será “Leite Negro”, inspirado no poema “Fuga da Morte” (1948), do romeno e Paul Celan, que fala do leite que os presos nos campos de concentração nazista tomavam ao anoitecer. “A guerra e a experiência da doença são os temas do livro”, adiantou a escritora, que começou a carreira tendo como referências escritores de origem judaica como Clarice Lispector e Moacyr Scliar.

O poeta Eucanaã Ferraz, ao receber o prêmio por “Sentimental”, ressaltou o bom momento que vive a poesia contemporânea, considerando o nível dos outros candidatos: Paulo Henriques Brito, Antonio Cícero e Angélica Freitas.

Após a cerimônia de premiação foi lançado o “Livro das Palavras”. Organizado pela curadora Selma Caetano e pelo crítico José Castello, o livro traz entrevistas e ensaios sobre a obra de premiados nos anos anteriores, entre eles Chico Buarque e Nuno Ramos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.