Divulgação
Herchcovitch apresentou a coleção masculina
de uma forma vigorosa.

A Bienal, ontem, parecia de ressaca. Depois da euforia com o furacão Gisele Bündchen, no domingo, veio o profissionalismo de marcas importantes e aguardadas, como Glória Coelho, Alexandre Herchcovitch e Ronaldo Fraga. Glória foi quem mais surpreendeu, por incluir na lista de inspirações o logotipo de uma marca de eletrodomésticos.

Alexandre Herchcovitch apresentou a coleção masculina de uma forma vigorosa e agressiva. Logo na abertura, o modelo segurava um taco de beisebol apoiado no ombro, numa referência ao personagem Alex de Large, do filme de 1971 “Laranja Mecânica”. Usava óculos escuro e chapéu, completando um look todo dourado até o sapato. O conceito se manteve no resto da coleção.

Artesanato

Ronaldo Fraga, que sempre emociona a plateia, dessa vez forrou o chão com azulejos das casas nordestinas para fazer passar sua coleção inspirada na obra “O Turista Aprendiz”, de Mario de Andrade. Para compor os looks, buscou no agreste de Pernambuco e Paraíba o artesanato das rendeiras e bordadeiras. O resultado encantou pela releitura sofisticada de técnicas que corriam o risco de desaparecer. “Ver nosso trabalho aqui é uma felicidade”, disseram Marcília Firmino e Lucia Santos, artesãs da cidade de Passira, em Pernambuco, que viajaram especialmente para acompanhar o desfile na Bienal. Na sequência, V. Rom, Fernanda Yamamoto e André Lima encerraram a SPFW 2011.