O ator Ramón Valdés fez parte da vida de muitos de nós e nesta quinta-feira (9) sua morte, ocorrida em 9 de agosto de 1988, é lembrada por uma verdadeira legião de fãs. Por esse nome talvez você não se lembre, mas como o “seu” Madruga da Turma do Chaves você certamente sentiu uma invasão de lembranças na mente. Embora fosse mexicano, ele tinha um jeitão de brasileiro e provavelmente por isso tinha tantos admiradores por essas bandas.

O seu Madruga e o seriado do Chaves fazem parte do nosso dia a dia mais ou menos desde sempre. O programa tem um estranho poder de dar um “tilt” na cabeça do espectador. Ainda hoje assistimos episódios gravados na década de 1970 (o programa estreou no México em 1971) e a familiaridade é tanta, que parece que foi gravado esses dias. No Brasil a estreia foi em 1984, quando o seriado já tinha acabado oficialmente (o último foi ao ar em 1980).

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

 

Valdés foi o primeiro dos personagens principais a morrer e o Chaves foi seu grande trabalho como ator. Vindo de uma família de artistas (os outros três irmãos também atuavam), ele fez seu primeiro trabalho, pasmem, em 1948. Foi uma participação no filme “Ay que bonitas piernas”. Dali em diante foram vários trabalhos pequenos e médios (teve relativo sucesso interpretando personagens de histórias em quadrinhos levadas ao cinema) até conhecer Roberto Gómez Bolaños, o Chesperito (ou Chaves, para nós).

Em homenagem ao seu Madruga, aqui vai um dos episódios de maior audiência do seriado, ironicamente o que trata da “morte do seu Madruga”.