O guitarrista baiano Perinho Santana, 63, não resistiu a uma parada cardíaca e morreu na noite de ontem no Rio. O corpo do artista foi velado no cemitério São João Batista, em Botafogo, zona sul do Rio, e será embalsamado e encaminhado para Salvador (BA), onde também será velado.

A previsão é que o sepultamento ocorra na próxima segunda-feira no cemitério da Ordem Terceira de São Francisco.

Nascido Péricles Bastos de Santana, Perinho começou sua carreira na capital baiana ao lado de artistas como Raul Seixas. Depois, mudou-se para o Rio e tocou com grandes nomes da música brasileira, como Caetano Veloso, Gilberto Gil e Marisa Monte. Atualmente, integrava a banda O Síndico, formada por músicos que acompanhavam o cantor Tim Maia.

De acordo com o irmão de Perinho, Renato Bastos de Santana, 72, o artista descobriu no começo do ano ter desenvolvido leucemia, tipo de câncer no sangue que reduz as células de defesa do organismo.

Ele estava sob tratamento no Hospital Federal da Lagoa, no Rio. No sábado, porém, após receber a terceira sessão de quimioterapia, não resistiu à parada cardíaca e morreu. Segundo Santana, Perinho era portador de uma doença cardiovascular descoberta em 2004.

“Ele era nosso irmão caçula, meu e da minha irmã. Tínhamos uma verdadeira adoração por ele. Era um cara correto e afetuoso. Para a gente, ele era o cara”, disse Santana. Perinho, segundo o irmão, estava divorciado. Ele tem dois filhos, de 20 e 13 anos.

“Estamos todos comovidos. Vamos levar o corpo para Salvador porque lá está toda a família e é lá que está enterrada a nossa mãe, Estelita Bastos de Santana, que também nos deixou no começo do ano”, disse Santana.