O Great 2006 começou com o pé direito, reunidos novamente para uma turnê mundial, os ingleses do The Cult encerraram a agenda do ano com um grande show em Curitiba, marcando o início do festival. Em uma noite de garoa de terça-feira, mais de 1.400 pessoas compareceram ao Curitiba Master Hall, onde conferiram grandes sucessos do ícone rock. Em um show dividido em 3 partes, sendo uma delas um acústico, a banda agradou os seus fãs. ?O show foi ótimo. Tocar em Curitiba foi demais, as pessoas são quentes, conhecem as músicas e nos transmitem muita energia?, afirmou o guitarrista Mike Dimkitch, enquanto deixava o palco. Após o show, Mike e John Tempesta, baterista da banda, seguiram para um barzinho no Água Verde, onde se uniram com os músicos que animavam o local, e deram uma ?canja? exclusiva para os presentes.

Na quarta-feira, representando o Blues no Great, os americanos J.J Jackson e Kenny Brown, referências mundiais no estilo, encantaram o público que compareceu ao Curitiba Master Hall. ?O show foi ótimo, o som é uma grande viagem que deixa todos em um outro nível. O público acompanhou o desenvolvimento da música, sentiu cada nota, e isso me deixa realmente muito feliz?, afirmou Kenny Brown, logo após o show. Outro fato que marcou a apresentação foi o bom-humor dos músicos, que entre uma música e outra, fizeram brincadeiras com o público. ?Temos que nos divertir, mas principalmente respirar. Essas pausas acabam por preservar nossa energia para o restante do show?, brincou a dupla.

Em um repertório composto por músicas próprias e grandes sucessos do Blues, os artistas se revezaram no palco, e em boa parte do show tocaram juntos, com Kenny na guitarra, e J.J no vocal. Apesar da fama mundial, e de trabalhos com artistas como Jimi Hendrix e Slash (Guns?n Roses), a dupla demonstrou grande humildade e respeito, recebendo e conversando com o público após o show, um reconhecimento aos ?frios? curitibanos, que em pé, aplaudiram o encerramento da apresentação por mais de 3 minutos.

Maria Rita e Junior Lima dão o toque nacional do Great

Na quinta, a atração do Great foi a cantora Maria Rita. Apontada como uma das jóias raras da música brasileira, a artista encantou o grande público que compareceu ao Curitiba Master Hall. Com uma presença de palco marcante, Maria Rita só deixou a desejar no quesito simpatia, visto que fez inúmeras exigências e restrições para o espetáculo, não recebendo a imprensa e os fãs. Os produtores do Great lamentaram o fato, mas afirmaram que respeitam totalmente a posição da artista, que em sua carreira, sempre optou por uma posição mais reservada.

Em uma sexta-feira agitada no roteiro de shows da capital, a atração do Great Curitiba foi a Soul Funk, banda de Junior Lima, da idolatrada dupla teen Sandy & Junior. Para abrir a noite na Hellooch, a banda curitibana Big Time Orchestra fez um ótimo show, mostrando o porquê de ser apontada como uma das revelações da música paranaense. Enquanto rolava o show da Big Time, Junior Lima, mostrando toda a simpatia que o levou a posição de ídolo teen no país, recebeu cinco fãs, que ganharam o direito de conhecer o músico em promoção de uma rádio local. Após atender as garotas, vendo a grande movimentação que se formava em frente à entrada do camarim, Junior autorizou que outras tantas meninas entrassem na área reservada, onde pacientemente tirou fotos e conversou com todas. Momentos antes de subir no palco, Junior Lima ainda atendeu à um pedido especial da produção, se deslocando para uma área especial, onde recebeu uma pequena fã, portadora de deficiência física, que não conseguiu chegar até o camarim do músico. Emocionada com a presença do ídolo, a menina caiu em prantos, sendo acalmada pelo jovem. ?Não custa nada, para mim, fazer uma foto, receber o abraço de uma fã. Essa é a parte gratificante do meu trabalho, saber que com tão pouco, posso fazer uma garota, como essa, feliz?, afirmou o músico.

No palco a Soul Funk mostrou muita energia e inovação, em um show curto, porém intenso. Destaque para a ótima harmonia instrumental apresentada pela banda, resultado da união de grandes músicos em um mesmo conjunto. A mistura de ritmos da banda de Junior Lima colocou a galera para cima.

Stanley Jordan encerra o festival em grande estilo

Divulgação
Divulgação

O guitarrista americano Stanley Jordan (foto) encerrou o Festival para um ótimo público no Teatro Guaíra.

Com o cancelamento da atração de sábado, devido a crise aeroportuária, o Great Curitiba pulou direto para a sua noite de encerramento, domingo, no Teatro Guaíra. A Noite do Jazz começou com uma baixa, visto que a cantora Izzy Gordon, que abriria o show, sentiu forte dor de garganta, não podendo se apresentar. Dessa forma, a noite começou logo com a atração principal, o guitarrista Stanley Jordan. Acompanhado dos músicos Dudu Lima (Baixo acústico e elétrico) e Ivan Conti ?Mamão? (Bateria), o americano proporcionou uma profunda experiência musical para o ótimo público que esteve no Guaíra. Com momentos de absurda técnica, com solos inacreditáveis, dentro de um repertório que teve a MPB como influência marcante, os músicos fizeram um show memorável. Após longos aplausos vindos da platéia no encerramento da apresentação, Stanley retornou ao palco mais duas vezes, encerrando o Great Curitiba Music Fest 2006, em grande estilo.

Festa de encerramento do Leilão da guitara de B.B. King e nova edição estão previstas para 2007

Os produtores do Great, entusiasmados com o sucesso obtido pela edição pioneira, já anunciaram mais eventos do festival para o próximo ano. O leilão da guitarra autografada de B.B King, que acontece no site do evento ? www.greatcuritiba.com.br -, tem encerramento previsto para março de 2007, em festa com atração especial. Já a segunda edição do Great, que já começa a ser planejada, deve trazer algumas novidades no formato, sendo realizada mais próxima do meio do ano. Nos resta aguardar.