mon161204.jpg

Francisco Brennand transforma
museu em vitrine.

Crítico e intrigante. Assim pode ser definido o artista plástico Francisco Brennand, que estará mostrando seu trabalho a partir deste sábado no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba. Ao longo dos seus 77 anos – e também longas barbas brancas -, Brennand transformou diversos espaços do museu em uma grande vitrine para abrigar as 396 obras, que juntas pesam cerca de duas toneladas – e foram transportadas em duas carretas.

Algumas das esculturas deste pernambucano – cuja exposição foi intitulada O Homem e a Natureza – possuem três metros de altura, e marcam um percurso de mais de trinta anos de criação artística. Entre as obras, estão em Curitiba 60 peças inéditas. O curador da exposição, Emanoel Araújo, explica que a mostra foi montada de maneira rítmica para dar ao espectador uma multivisão. Ele destacou ainda que muitas peças ficarão ao ar livre, recebendo a luz natural "e interagindo com a natureza".

Origem

Vindo de uma família de ceramistas, Francisco Brennand comenta que sempre relutou em trabalhar com esculturas, e confessa que tinha um certo preconceito com essa manifestação, dando as costas para o barro. Mas quando foi estudar pintura em Paris, a primeira exposição com a qual se deparou foi uma mostra de esculturas assinadas por Pablo Picasso. "Achei que aquilo poderia ser uma brincadeira na obra de Picasso", confessa, afirmando que anos depois, já no Brasil, reativou uma velha cerâmica da família e foi aprofundar seu trabalho.

Detalhista em todos os aspectos, o artista pernambucano diz que não possui uma peça ou fase preferida, "pois isso cabe ao público", mas destaca que chega a produzir até sete peças diferentes para alcançar algo parecido com o que havia projetado inicialmente. Brennand comenta ainda da dificuldade da produção, já que as peças precisam ser feitas em módulos, pois não cabem nos fornos – onde são queimadas a uma temperatura de 1.400 graus para obter uma condição rígida.

Serviço: a exposição de Francisco Brennand abre ao público no sábado (18) e fica no MON até dia 31 de março.