O fotógrafo brasileiro Dede Fedrizzi vai expor pela primeira vez em Curitiba. Hoje, ele participa da inauguração da exposição Stolen memories, uma verdadeira retrospectiva de sua carreira, principalmente dos 15 anos que morou fora do Brasil.

São 30 fotos especialmente selecionadas para esta mostra, dispostas em paineis 100 cm x 80 cm. A exposição ficará aberta ao público no Espaço A Fábrika até o dia 4 de dezembro.

Fedrizzi já expôs em Paris, Zurique, Nova Iorque, Madrid, Atenas, Roma e São Paulo, entre outras cidades de destaque mundial. Em Curitiba, ele selecionou imagens com várias características que representam a sua carreira.

“Tem desde luz até o World Trade Center (referência aos atentados de 11 de setembro de 2001). Me dei ao luxo de fazer ensaios técnicos da tragédia”, explica Fedrizzi.

Ele fez as fotos no período em que morava em Nova Iorque e viveu toda a tensão do ataque terrorista. “As fotos de Dede são bem impactantes. É uma linguagem bem diferente do que se vê por aí”, avalia a produtora da exposição, Almali Zraik, da empresa Caradiboi Brasil.

A mostra vem para a cidade com um conceito diferenciado. Os produtores apostam em um novo formato para o público apreciar melhor as obras. Além das imagens do fotógrafo inéditas em Curitiba, haverá uma ambientação especial – feita pela arquiteta curitibana Viviane Tabalipa – e a apresentação do DJ Tony Montana.

A ideia dos produtores é fazer com que o público não apenas veja as fotografias e vá embora. Será montada uma estrutura que vai propiciar uma apreciação melhor e interação entre o próprio público, culminando em uma balada.

“A nossa intenção é juntar vários talentos e fazer as pessoas curtirem uma noite agradável, conversarem, trocarem ideias. E não simplesmente olhar e ir embora. Vai virar uma verdadeira festa”, afirma Almali.

Toda a ambientação será mantida durante o período de visitação, não ficando apenas para o lançamento da obra. “Acho bem interessante. Estamos em uma época em que os formatos tradicionais estão indo por água abaixo, em tudo. A arte visual não é só referência visual. A música ajuda nesta experiência sensorial e coloca a pessoa pré-disposta a entrar no astral das fotos”, comenta Fedrizzi. Parte do valor arrecadado com a venda de obras do fotógrafo no dia da abertura da exposição será doada ao Instituto para o Cuidado do Fígado (ICF), de Curitiba.

Serviço

Lançamento da exposição Stolen memories, de Dede Fedrizzi. Hoje, às 17h, no Espaço A Fábrika (Rua Ubaldino do Amaral, 925, no Alto da XV, em Curitiba). A entrada oficial do evento será pela Rua Fernando Amaro, 154. Exposição fica aberta ao público até 4 de dezembro, com visitação entre 11h e 20h. Entrada gratuita.