O filme Haruo Ohara, rodado em Londrina, na região norte do Paraná, saiu do 38º Festival de Gramado com cinco prêmios. Na premiação do último domingo, recebeu três kikitos – troféu do evento principal – melhor filme, melhor diretor e melhor fotografia de curta metragem.

O filme ainda foi agraciado com o prêmio estudantil do festival e prêmio Canal Brasil (TV fechada), que vai exibir Haruo Ohara em sua programação durante três anos.

O diretor do filme, Rodrigo Grota – paulista de nascimento e londrinense de coração -, achava que existia alguma chance de ganhar o kikito somente na categoria de melhor fotografia, já que este foi um dos destaques do filme.

O trabalho justamente retratou a estética da fotografia de Haruo Ohara (1909-1999), um imigrante japonês que registrou em imagens a Londrina da década de 1950.

“O filme não tem um caráter biográfico, mas é uma homenagem à estética dele. Estava animado porque o filme recebeu muitos elogios de críticos após a exibição no festival”, comenta Grota.

Haruo Ohara faz parte de uma trilogia de filmes que mostram a cidade desta época, quando vivenciava uma efervescência cultural e pujança econômica. O imigrante japonês, além de se dedicar à agricultura, teve a fotografia como uma grande companheira.

Para compor o trabalho -contemplado em um edital de produção do governo federal para curtas metragens -, Grota e sua equipe reuniram imagens e gravações sobre a vida de Ohara. Isto ajudou o diretor a entender o processo criativo do imigrante, que produziu cerca de 20 mil imagens da região.

Todo o filme é falado em japonês e no elenco integram somente descendentes de imigrantes do Japão que se estabeleceram em Londrina. Dezessete pessoas participaram da filmagens, que ainda contaram com a colaboração de duas filhas de Ohara. A ficção se misturou com várias fotos produzidas por ele e que foram cedidas pelo Instituto Moreira Salles.

Depois dos kikitos, o diretor pretende levar o filme para outros festivais, tanto nacionais quanto internacionais, especialmente no Japão. Haruo Ohara ainda será lançado em DVD juntamente com outros dois filmes da trilogia: Satori Uso (2007), cujo personagem é um poeta, mas ficcional; e Booker Pittman (2008), um músico americano que viveu em Londrina na mesma época. O DVD será financiado com o Programa Municipal de Incentivo à Cultura e distribuído para escolas ligadas ao cinema.