Fernanda Montenegro ficou surpresa.

Fernanda Montenegro recebeu o prêmio de melhor atriz por seu trabalho em O Outro Lado da Rua durante o terceiro Festival Internacional de Cinema de Tribeca, cuja cerimônia de premiação foi realizada domingo à noite em Nova York. No filme, dirigido por Marcos Bernstein, Fernanda interpreta uma mulher de 65 anos que trabalha como informante para a polícia de Copacabana. Um dia, ela testemunha como um homem assassinou sua esposa mediante uma injeção letal. A polícia se nega a investigar o episódio e ela decide fazê-lo por sua conta e logo se apaixona pelo suspeito.

A performance da atriz brasileira foi julgada por um júri composto por oito integrantes, entre os quais as atrizes Ellen Barkin e Mary Louise Parker, e pelos diretores Siddiq Barmak (Osama) e Andrei Zvyagintsev (O Retorno).

O filme marca a estréia na direção de Marcos Bernstein, e vem realizando uma trajetória de sucesso no circuito de festivais, com prêmios em cinco importantes mostras até o momento, incluindo melhor filme, atriz e fotografia no Festival de Recife. Foi escolhido melhor filme pelo público da última edição do Festival de Toulouse; arrebatou o Astor de Prata de melhor filme iberoamericano no Festival de Mar Del Plata. A produção brasileira também encerrou a XIX Muestra de Cine Mexicano e Iberoamericano de Guadalajara.

A atriz brasileira, que há três anos foi indicada para o Oscar, disse que ficou sabendo de seu prêmio quando Bernstein ligou para ela, no domingo, de Nova York. Fernanda ficou surpresa porque nem sabia que o Festival de Tribeca tinha premiação para atores, achava que fosse só para diretores. “Não fiz O Outro Lado da Rua pensando em premiação. Mas por ser um filme que foge dos padrões de Hollywood, a premiação é mais valorizada.”

Outro brasileiro também premiado domingo em Tribeca foi o cineasta Paulo Sacramento, eleito como melhor diretor de documentário pelo longa O Prisionero da Grade de Ferro. Mediante câmeras entregues aos presos, Sacramento mostra a realidade dentro do presídio do Carandiru, hoje desativado.