O Fera (Festival de Artes da Rede Estudantil) encerrou sua terceira etapa de 2006 neste sábado (3), em Campo Mourão. Foram cinco dias de muita arte, com oficinas de aprendizado e apresentações dos alunos e de profissionais nos palcos espalhados pelo Parque de Exposições Getúlio Ferrari. O resultado foi bastante positivo: a organização foi competente e a alegria predominou entre os participantes. Quatro mil alunos da rede pública participaram, além de 400 professores, 27 oficineiros e 74 artistas. Aproximadamente 200 grupos de música, dança, teatro e circo se apresentaram. A próxima etapa acontecerá em Umuarama, entre os dias 20 e 26 de junho.

O evento teve início na última terça-feira (30), com um desfile que tomou as ruas do centro de Campo Mourão. Mais de 4.000 pessoas participaram, entre alunos, professores e artistas. No mesmo dia, houve a abertura no palco principal, montado no parque Getúlio Ferrari, com shows de música e com uma encenação divertida dos artistas do Fera. A atriz e animadora Alexandra Gil, coordenadora do evento, comandou o espetáculo que contou com a presença do Vice-governador Orlando Pessuti, do Secretário de Estado de Educação Maurício Requião e do Prefeito de Campo Mourão Nelson Tureck, além de outras autoridades e personalidades paranaenses.

Destaques

Durante os cinco dias, 23 oficinas de arte foram oferecidas para os alunos e 5 para os professores. A oficina que contou com mais participantes ? em torno de 500 alunos ? foi a de Sensibilização Musical, coordenada pelo maestro Walmir Marcelino Teixeira, da qual fez parte o violonista e maestro Waltel Branco, músico de jazz, compositor de trilhas sonoras de cinema e televisão e arranjador de ?feras? da música brasileira como João Gilberto. Waltel foi o autor, com Henry Mancini, de um dos hits mais executados em todo o mundo, o tema da ?Pantera cor-de-rosa?.

O grupo Cia Téspis de Teatro, de Campo Mourão, foi ovacionada pelo público após a apresentação da peça ?Flor, pimenta e água benta?, do dramaturgo campomourãoense Francisco Pinheiro. A peça ilustra a história do Paraná, com seus conflitos por terras, religiosidades e com os jeitos e trejeitos dos personagens típicos presentes nos relatos históricos da colonização paranaense. Edilaine Castro, uma das atrizes do grupo, não poupou elogios ao Governo do Estado e à Secretaria de Educação pela iniciativa de promover o Fera: ?O Estado está oferecendo um grande presente aos alunos da rede pública de ensino. Está possibilitando um contato muito rico com o teatro, a música, a dança, o circo, coisas que não apenas formam a condição de cidadania de um povo, como principalmente são fundamentais no processo de humanização?, disse. A peça contou com a direção de Edson Bueno e, além de Edilaine, com os art istas Roberto Cardoso, Viviane Lima, Francisco Hernandes e Daniella Caria.

Outra atração muito aplaudida foi a apresentação do grupo de rap Rajada MCs, também de Campo Mourão. O grupo, composto pelos rappers Careca, Robinho e Neguinho, contando com as bases do DJ Papa-Léguas, cantou quatro músicas, todas acompanhadas, letra a letra, pelo público presente. Eles estão há 5 anos compondo e se apresentando em Campo Mourão e em outras cidades paranaenses, já tendo lançado 2 CDs. Todos elogiaram a iniciativa do Governo do Estado de promover o Fera e o rapper Careca, aluno da rede pública e participante do Fera na oficina ?Cavalhadas?, enalteceu a organização do evento: ?Fiquei impressionado como o pessoal que organizou o Festival conseguir fazer com que tudo desse certo com tanta gente envolvida?, disse. Na despedida, os rappers deixaram uma mensagem que bem pode servir para todos os adolescen tes que participaram do evento e sonham se tornar artistas: ?Acredite nos seus sonhos, eles são possíveis. É só você fazer alguma coisa para torná-los reais?.