Com mais de 40 anos de profissão, qualquer artista poderia pensar que já fez de tudo, mas esse não é o caso de Fafá de Belém. Aos 62 anos, a cantora continua firme e forte, com um novo DVD a caminho e pensando além do que já fez até agora. A convite da cantora paranaense Simone Mazzer, Fafá passou por Curitiba neste sábado (1), no Teatro Sesi, para deixar as más energias de agosto para trás e começar setembro com o pé direito.

À Tribuna do Paraná, Fafá contou que seu novo trabalho, um DVD que foi gravado inteiro em Portugal, está quase saindo do forno. “Mas estamos indo com calma, porque além do DVD físico, também queremos pensar em como lançar isso na internet, para o público jovem”, explicou ela, adiantando que o DVD vem com regravações, mas de um jeito diferente.

Foto: Lucas Sarzi.
Foto: Lucas Sarzi.

“Reformulamos as músicas e colocamos guitarradas do Pará, um olhar atualizado. Além disso, as imagens estão lindas”, revelou ela, adiantando que se o DVD não sair até o final do ano, deve ser lançado depois do Carnaval de 2019. “Não quero disputar mercado com ninguém, porque é um trabalho muito especial”.

Vivendo um momento mais tranquilo, Fafá considerou que sua carreira é estável. “Tenho orgulho do que construí e agora posso caminhar para frente com os pés no chão. Graças a Deus ainda tenho a tranquilidade de ter uma agenda cheia, aqui (no Brasil) e em Portugal (onde passa temporadas), e eu estou sempre pedindo férias, que não consigo tirar”, brincou.

Nesse momento do país, em época de eleição onde os nervos de todos estão a flor da pele, Fafá disse estar observando. “Vejo discussões absolutamente fora do tom e pessoas defendendo ideias sem nenhum fundamento, apenas por frases feitas. Estamos num momento muito delicado. Vivi o tempo das diretas onde acreditávamos ser possível construir um novo país, eu continuo acreditando, mas acho que temos que estar atentos às propostas miraculosas. Nada se resolve na bala e na violência, nem na doutrinação messiânica. Ainda não tenho candidato”, comentou.

Em Curitiba, a cantora dividiu o palco com a paranaense Simone Mazzer e disse ter se lembrado de muita coisa boa enquanto estava cantando. “Muitas lembranças boas, a começar pelo meu primeiro show na região Sul, depois de sair de São Paulo, com o meu primeiro disco, o Tamba-Tajá, em 1976, foi em Curitiba. Criei laços com o Paraná, sou fã de Leminski e de Dalton Trevisan”, lembrou.

Veja o vídeo

Na entrevista, Fafá deu mais detalhes sobre tudo o que pensa sobre o meio musical atual, falou também de política e deu detalhes sobre seu novo DVD. Veja a reportagem na íntegra, com alguns trechos do show:

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Em sua terra

Foto: Lucas Sarzi.
Foto: Lucas Sarzi.

A cantora Simone Mazzer, londrinense que mora no Rio de Janeiro, comandou o palco e teve a honra de cantar com Fafá, que é considerada por ela um ídolo. “Um ídolo de muito tempo, me lembro pequena ouvindo e assistindo Fafá de Belém na TV, que linda, como cantava, como aquelas músicas acompanharam épocas, fases muitos distintas. Poder convidar a Fafá e ela topar fazer um show no Paraná… gente, é um presente”.

Num show carregado de emoção e das mais diferentes mensagens, a cantora, que também é atriz, falou que acredita ser esse o papel do artista, ainda mais no momento em que vivemos. “Essa postura frente a esse momento tão retrogrado que estamos vivendo é muito necessária pra mim, tenho uma necessidade profunda de falar disso, porque acredito que quando as pessoas se tocam disso, elas refletem e isso pode ser transformador. O momento não é para delicadezas e eu como artista tenho que falar”.

Simone, que vive de seu trabalho de forma praticamente independente, sugeriu que as pessoas consumam arte. “Ouçam música, de todas as fontes, não só as que tocam no rádio. Assista shows até mesmo de artistas que você não conhece. Desse jeito você vai estar se alimentando de cultura e criando uma pessoa muito mais bacana para enfrentar o mundo que não está fácil para ninguém”. Veja a entrevista completa com ela:

Participando de projeto com mulheres no palco, Roberta Sá esgota ingressos