O escultor Carlos Tullio é
responsável pelas obras.

O Solar do Rosário homenageia dois destaques paranaenses, Poty Lazzarotto e Frei Miguel, com a inauguração dos bustos em bronze, de ambos, neste final de semana e mais uma extensa programação que tem como objetivo incentivar as artes locais.

No sábado, às 11h da manhã, haverá coquetel de inauguração da mostra individual de Ida Hannemann de Campos e mostra dos bustos em bronze de Poty Lazzarotto e Frei Miguel, feitos pelo artista plástico Carlos Henrique Tullio. No domingo, também às 11h da manhã, a homenagem continua com a presença dos artistas e entrega dos bustos à comunidade curitibana.

A iniciativa de homenagear Poty Lazzarotto, um dos expoentes das artes do Paraná, e Frei Miguel, figura religiosa e líder respeitado na sociedade curitibana, partiu da diretora do Solar do Rosário, Regina de Barros Correia Casillo. Foi apresentado à Câmara de Vereadores de Curitiba, obtendo apoio do presidente da Casa, vereador João Cláudio Derosso, e patrocínio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura e da Siemens. Os bustos serão entregues oficialmente no dia 30 de maio e posteriormente serão expostos na capital em caráter permanente, em local ainda a ser designado.

Poty

Napoleão Potyguara Lazzarotto nasceu em Curitiba em 29 de março de 1924, no bairro dos ferroviários, na rua que hoje se chama Padre Germano Mayer. É um dos artistas paranaenses mais conhecidos no Brasil. Suas obras podem ser encontradas em vários pontos turísticos da cidade.

Frei Miguel

É um líder respeitado na capital paranaense. Ele foi vigário, juiz de futebol, professor, mestre pedreiro, moderador de costumes e urbanizador.

Ida Hannemann

Pintora, desenhista e tapeceira, Ida Hannemann de Campos nasceu em Curitiba em 1922 e foi aluna do Atelier de Guido Viaro entre os anos de 1941 e 1943. Freqüentou, também, os cursos de gravura de Fernando Calderari e escultura de Francisco Stockinger e Juan Carlos Labourdett. No currículo, mais de 150 exposições individuais e coletivas no Brasil e no exterior, além de 32 salões oficiais.

A exposição de Ida Hannemann é a segunda de uma série de cinco que acontecem durante este ano em comemoração aos 12 anos do Solar do Rosário, com o patrocínio da Lei de Incentivo à Cultura do governo federal e das empresas Blount e Trützschler.

Serviço

Inauguração da exposição de Ida Hannemann de Campos e entrega dos bustos de Frei Miguel e Poty Lazzarotto à comunidade.

Dias: 29 e 30 de maio, às 11h.

Local: Solar do Rosário.

Rua: Duque de Caxias, n.º4.

A intensa obra de René Bittencourt

Os apreciadores das artes plásticas paranaenses estão de luto. Na noite do último domingo o Estado perdeu um de seus maiores artistas plásticos, o curitibano René Hayton Pires de Bittencourt, aos 73 anos de idade. Bittencourt iniciou sua carreira como free lancer em desenho de publicidade. Ingressou no Centro de Gravuras do Paraná na década de 50, passando a integrar os movimentos artísticos no Estado. Com o incentivo de Nilo do Previdi, Guido Viaro, Adalice Araújo e Alcy Xavier, fez suas primeiras exposições. Bittencourt também foi o responsável por classificar e organizar todo o acervo do Palácio Iguaçu durante o governo Paulo Pimentel.

Grupo Um

Ao lado dos artistas plásticos Alberto Massuda, Álvaro Borges, Érico da Silva (agora, o único remanescente do grupo) e Waldemar Roza, revoluciona as artes plásticas no Paraná ao criar o “Grupo Um”.

Segundo o crítico de arte Aurélio Benitez, o Grupo Um não visava evidenciar um determinado estilo de pintura nem pretendia ditar normas dentro da arte moderna, com a qual o público começa a ter contato no Estado. “O desejo deles era tornar pública sua linguagem artística, assim como a de outros pintores que estavam surgindo. Havia a consciência de que estava aparecendo no Estado uma geração de artistas de excelente qualidade”, declarou.

A primeira exposição do grupo foi no dia 18 de abril de 1966 e além dos cinco, foram convidados Antônio Arney, Thomas Waltersteiner e Jefferson Cesar. No início dos anos 70, o Grupo Um dá por encerrado seu trabalho porque começam a aparecer em Curitiba as primeiras galerias de arte e o Museu de Arte Contemporânea, do qual Bittencourt foi um dos idealizadores. As obras do artista estão em coleções no Brasil e no Exterior (Alemanha, Polônia, França, Estados Unidos, Itália, África do Sul), e também em acervos de várias entidades públicas.

No dicionário

Bittencourt foi o primeiro presidente da Associação Profissional dos Artistas Plásticos do Paraná. É citado no Dicionário de Artes Plásticas do Brasil, de Roberto Pontual, Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas, do Ministério da Educação, na Enciclopédia Delta Larousse e no International Guide of Arts. Ao longo de sua carreira conquistou inúmeras premiações e em 1980 recebeu o Prêmio Bento Munhoz da Rocha Neto. Filho de Manoel José da Cunha de Bittencourt Júnior e Electra Pires de Bittencourt, deixa viúva, seis filhas, duas enteadas e treze netos.