O show da banda pernambucana Cordel do Fogo Encantado, que estava agendando para este sábado (28), no Curitiba Master Hall, foi cancelado, devido ao número muito baixo de ingressos vendidos, o que impossibilitaria a realização do evento. Em respeito ao público, a Multi Eventos não mediu esforços para manter o show, mas viu-se obrigada a cancelar.

A decisão foi motivada não somente por prejuízos financeiros, mas principalmente prejuízo artístico, pois o número reduzido do público não ocuparia nem 10% da capacidade total da casa de shows.

Assim, em respeito aos artistas e ao público, a produtora decidiu pelo cancelamento, para que em uma data próxima, este evento possa ser realizado em melhores condições.

As pessoas que adquiriram os ingressos já podem se dirigir até um dos pontos de venda para o ressarcimento. Para maiores informações: (41) 3322-6116

Transfiguração

Com a turnê do álbum "Transfiguração", os pernambucanos do Cordel de Fogo Encantado, fazem um trabalho completamente autoral que reflete as mudanças na trajetória do grupo, que em 1997 saiu da pequena Arcoverde, sertão pernambucano brasileiro, para ganhar os ouvidos e as praças do mundo inteiro.

Depois de percorrer praticamente todo o país com o espetáculo que anunciava a passagem de um palhaço sem futuro e que rendeu indicações às mais respeitadas premiações musicais, o Cordel do Fogo Encantado lançou seu terceiro disco: "Transfiguração".

Do mergulho nos registros sonoros de suas origens, explorados no primeiro disco, passando pela combustão de "O Palhaço do Circo Sem Futuro", dá-se a evolução musical da banda que cada vez mais apresenta uma musicalidade própria, única, forte, marcante e impactante.  

A base continua a mesma: três percussões, um instrumento harmônico e a força da poesia como motivo da reunião. A maturidade musical se traduz no aprofundamento de novas descobertas sonoras de instrumentos. A percussão é levada para um ambiente mais contemporâneo, trazendo o frescor de uma música inventiva e não meramente reprodutora de ritmos existentes.

Pela primeira vez o processo de composição é invertido. Nos álbuns anteriores, o espetáculo nascia antes para depois virar registro de áudio. Agora, o disco nasce primeiro como música para posteriormente ser colocado em cena na estrada. Cada vez mais se aproxima a zona de limite pela qual transita o grupo, que passeia com a mesma força tanto pelas artes cênicas como pela musical. Isso se reflete na escolha dos produtores de "Transfiguração".