O compositor Elliott Carter, um dos maiores nomes da vanguarda erudita americana, morreu aos 103 anos de causas naturais em sua casa em Nova York, ontem. A informação é da “BBC News”.

Conhecido pela complexidade de sua obra, o músico nova-iorquino foi aclamado por outro grande compositor, seu colega Igor Stravinsky, que classificou como “obras-primas” duas de suas composições: “Double Concerto”, de 1961, e “Piano Concerto”, de 1967.

Carter ganhou dois prêmios Pulitzer -o primeiro foi pelo Second String Quartet, em 1960, e o segundo, pelo Third String Quartet, em 1973. Ele também foi homenageado com a US National Medal of Arts e introduzido ao Classical Music Hall of Fame.

Nascido em 11 de dezembro de 1908, o compositor nova-iorquino deixou mais de 130 trabalhos, incluindo também “Symphony 1”, de 1942, e “Holiday Overture”, de 1944.

Entre os mais recentes estão “Dialogues”, de 2004, que foi indicado ao Pulitzer, e “Boston Concerto”, de 2006, indicado ao Grammy de melhor composição clássica contemporânea.

“Instances”, última peça de Carter, terá sua estreia mundial em fevereiro fevereiro do ano que vem, e será interpretada pela Seattle Symphony.