O corpo do ator Ítalo Rossi está sendo velado hoje por amigos e familiares no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, zona portuária. Ele morreu ontem de insuficiência respiratória. Ítalo foi fumante por toda a vida, mas, segundo seu sobrinho Humberto Rossi, havia abandonado o cigarro um ano atrás.

A atriz Camilla Amado, sua amiga desde a adolescência, contou que ele estava “muito animado” com projetos teatrais. “Falei com ele anteontem e contei que estava com bronquite. Ele respondeu que tinha bronquite desde os 7 anos. Devo tudo a Ítalo. Foi um amigo que me salvou várias vezes na vida”, disse Camila.

A atriz Fernanda Montenegro, amiga de Ítalo desde os anos 50, está no Tocantins e tenta chegar para o enterro, marcado para as 16 horas. O ator Sérgio Britto, que o conheceu na mesma época, deve chegar ao cemitério também apenas à tarde.

Carreira

Ítalo Balbo Di Fratti Coppola Rossi nasceu em Botucatu, interior paulista, no dia 19 de janeiro de 1931. Iniciou a carreira no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC). Já no primeiro espetáculo, sob a direção de Maurice Vaneau, em “A Casa de Chá do Luar de Agosto” (1956), recebeu o prêmio revelação de ator da Associação Brasileira de Críticos Teatrais (ABCT).

Em 1959 fundou, ao lado de Fernanda Montenegro, Sergio Britto e Fernando Torres, o Teatro dos Sete, em que atuou com exclusividade durante seis anos, até o encerramento da companhia. No teatro, Ítalo participou do elenco de mais de 400 montagens.

Com 55 anos de carreira, o ator atuou em diversas novelas pela TV Globo, como “Escrava Isaura”, “Senhora do Destino” e “Belíssima”, e era considerado um dos mais importantes atores do País. Um de seus últimos papéis marcantes foi no elenco do humorístico “Toma Lá, Dá Cá”, da TV Globo, em 2008.