Os pernambucanos do Cordel de Fogo Encantado retornam à Curitiba no dia 28 de julho com a turnê do álbum "Transfiguração". O público poderá conferir um trabalho completamente autoral que reflete as mudanças na trajetória do grupo, que em 1997 saiu da pequena Arcoverde, sertão pernambucano brasileiro, para ganhar os ouvidos e as praças do mundo inteiro.

A lona do circo foi desarmada. Depois de percorrer praticamente todo o país com o espetáculo que anunciava a passagem de um palhaço sem futuro e que rendeu indicações às mais respeitadas premiações musicais, o Cordel do Fogo Encantado lançou seu terceiro disco: "Transfiguração".

Do mergulho nos registros sonoros de suas origens, explorados no primeiro disco, passando pela combustão de "O Palhaço do Circo Sem Futuro", dá-se a evolução musical da banda que cada vez mais apresenta uma musicalidade própria, única, forte, marcante e impactante.  

A base continua a mesma: três percussões, um instrumento harmônico e a força da poesia como motivo da reunião. A maturidade musical se traduz no aprofundamento de novas descobertas sonoras de instrumentos. A percussão é levada para um ambiente mais contemporâneo, trazendo o frescor de uma música inventiva e não meramente reprodutora de ritmos existentes.

Com produção musical de Carlos Eduardo Miranda (O Rappa, Mundo Livre S/A, Raimundos, e Skank), co-produção de Gustavo Lenza (Bnegão e Mamelo Sound System) e mixagem de Scotty Hard ( De La Soul, Wu Tang Clan, John Spencer Blues Explosion e Nação Zumbi), "Transfiguração" aponta o caminho de movimentação e mutação sonora da banda.

Pela primeira vez o processo de composição é invertido. Nos álbuns anteriores, o espetáculo nascia antes para depois virar registro de áudio. Agora, o disco nasce primeiro como música para posteriormente ser colocado em cena na estrada. Cada vez mais se aproxima a zona de limite pela qual transita o grupo, que passeia com a mesma força tanto pelas artes cênicas como pela musical. Isso se reflete na escolha dos produtores de "Transfiguração".

"No primeiro disco convidamos Naná Vasconcelos por sua capacidade de teatralização da imagem em som. No segundo radicalizamos assinando a própria produção musical para assumir totalmente a autoria do trabalho. Neste terceiro a escolha de Miranda, Lenza e Scotty Hard sinaliza essa transformação, ao optarmos por trabalhar com produtores de forte expressão no meio musical", comenta José Paes de Lira, vocalista e compositor do grupo.

"Transfiguração" é, entre os álbuns do grupo, o que apresenta maior diversidade musical. A única participação especial é de BNegão, na faixa "Pedra e Bala (ou Os Sertões)". Repleto de referências, o disco propõe um passeio pelos universos de Graciliano Ramos, Ítalo Calvino, Nietzsche, Euclides da Cunha, Ana Cristina César, o beatnik de Jack Kerouak, além de Bertolt Brecht e José Celso Martinez Corrêa.

Com produção independente, que contou com o patrocínio da Petrobrás, "Transfiguração" traz 15 faixas, incluindo um bônus track com um solo de Clayton Barros e dois poemas: "TLANK!", de Manoel Filó; e "Canto dos Emigrantes", de Alberto da Cunha Melo, com interferências e texturas sonoras de Lira com Buguinha Dub.

Serviço:
Data: 28 de julho
Local: Curitiba Master Hall  (Rua Itajubá, 143 ? Portão) 3248-1001
Abertura da casa: 21 horas
Início do show: 23h30
Informações: 41 3322-6116 ou 3248-1001 www.multieventoshows.com.br