São Paulo – Não é que Ana Paula Padrão e Luiz Gonzaga Mineiro, o diretor de Jornalismo do SBT, não tenham apreciado a contratação de Carlos Nascimento, como uns e outros vêm dizendo por aí. Isso não. Mas o modo como a notícia chegou aos ouvidos da dupla que até então dominava o departamento na Anhangüera está longe de ser a mais elegante. É que sempre se espera mais amabilidade de alguém como Silvio Santos, homem capaz de todos os afagos quando se trata de seduzir alguém a trocar de canal, como aconteceu com Ana Paula e agora, com Nascimento. O patrão é assim mesmo, na linha "a mão que afaga é a mesma que apedreja". Não mais que de repente ele sente necessidade de mostrar quem é que manda.

Foi assim com Adriane Galisteu. De tanto reivindicar investimento em seu programa e uma vaga na faixa nobre, a loira foi punida com as noites de sábado e agora deve voltar para a ingrata grade diária vespertina.

É o modo Silvio Santos de administrar: sempre jogando uns contra os outros. Mas, se Ana Paula e Mineiro foram quase surpreendidos com a contratação de Nascimento, o que vale agora é a esperança de melhor aproveitamento dos investimentos na área

Num primeiro momento, Nascimento passa a comandar o Jornal do SBT, no lugar de Hermano Henning – que muda seu fuso horário e fará o jornal da manhã. Enquanto isso, dois novos projetos prometem tomar forma a médio prazo: uma revista nos moldes do Fantástico para as noites de domingo e um noticiário regional em São Paulo. A praça paulista é hoje a única, dentro da rede que forma o SBT, que não conta com jornal regional. Não é pouca coisa. Esta demanda tem sido atendida pelos jornais de rede, comprometendo seu ritmo. Não é o ideal. Ainda mais em ano de eleições.