Em clima de inauguração, o Studio Majestic Bar está atraindo atenção no bairro do Batel. É que a casa é uma homenagem aos antigos estúdios cinematográficos das décadas de 40 e 50, entre eles, o brasileiro Cinédia, famoso por revelar talentos como Cyll Farney, morto há pouco mais de um mês, a dupla Oscarito e Grande Otelo e a bela Eliana.

O Studio Majestic oferece todos os produtos que um bar dispõe – drinques e comidas. Mas o principal diferencial está nas atrações: o estabelecimento é todo decorado com equipamentos de 16 a 35 milímetros, fotos antigas sobre o cinema brasileiro, principalmente material da Boca do Lixo, famosa na década de 70 em São Paulo, duas vitrolas para os colecionadores de vinil ouvirem sua música e duas tevês para aqueles que optarem assistir curtas-metragens.

Este rico acervo pertence ao cinéfilo Nereu Cerdeira, proprietário ao lado da médica Rejane Menezes e das empresárias Cristiane Locatelli e Zelita Przywitowski. “Arte sempre teve a ver com boemia. Esta foi a nossa intenção ao montar o Studio Majestic – mostrar ao público esse acervo e ao mesmo tempo deixá-lo discutindo à vontade sobre o assunto”, explicou Cerdeira, diretor de curtas-metragens, entre eles Zagatti, que participou do Sundance Festival.

Além da decoração, o público é brindado com atendentes caracterizados com personagens famosos do cinema nacional e internacional. “Ninguém deve se surpreender se estiver sendo atendido pelo James Dean ou a Marilyn Montoe e até mesmo o nosso Mazaropi”, brincou Cerdeira. Os personagens vão sendo substituídos à medida em que os clientes forem pedindo e até mesmo para que todos possam ser homenageados.