Para celebrar o Dia do Índio, comemorado em abril, abre na próxima segunda-feira, dia 14, às 18h30 na Casa João Turin (R. Mateus Leme, 38 ? Largo da Ordem) a exposição O Índio na História e na Arte Paranaense que faz parte do programa do IPHAN para o Ano Ibero-Americano de Museus. No local, além dos murais indígenas e animais, estarão expostas vinte e cinco esculturas, treze desenhos, pequenos estudos em argila e fotos do extinto ateliê de João Turin. A mostra, com entrada franca, também apresenta registros fotográficos das tribos Kaingang e Guarani feitas pelo jornalista Ivan Bueno, o artesanato dos índios Kaingang e um vídeo sobre os Xetá e os Kaingang.

Para a diretora do Casa João Turin, Elisabeth Turin, essa exposição tem por objetivo levantar a discussão indígena de uma forma mais incisiva. ?Não é possível que o índio só seja lembrado em um único dia. Essa mostra pretende apresentar ao público, durante uma semana, a discussão estética dessa cultura que é um dos alicerces do povo brasileiro e deve ser trabalhada de forma mais contínua?, comenta.

De fato, a partir do projeto educativo da Casa, a intenção é promover uma série de visitação com os alunos do ensino fundamental e magistério para a exposição. ?A Casa João Turin pretende aguçar a sensibilidade dos visitantes para as questões que envolvem o índio e a cultura indígena nos dias de hoje?, completa Elisabeth que, para isso, convidou o índio Kaigang Romancil Cretã para ministrar uma palestra sobre a situação indígena do Paraná.

O bate papo, aberto ao público, acontecerá dia 23 de abril, às 18h30. Romancil é filho de Ângelo Cretã, liderança kaigang natural de Mangueirinha e primeiro vereador indígena eleito no Brasil, em 1976. Foi morto em nove de janeiro de 1980 numa emboscada até hoje não esclarecida.

Serviço:
O Índio na História e na Arte Paranaense. Exposição de esculturas, desenhos e fotografias. Abertura, segunda-feira, dia 14, às 18h30 na Casa João Turin (R. Mateus Leme, 38 ? Largo da Ordem). O horário de visitação é de segunda a sexta-feira das 9h às 18h e sábado e domingo das 10h às 16h. A exposição tem entrada franca e permanece até o dia 27 de abril.