enkontra.com
Fechar busca

+ Pop

Música

Canadense Leonard Cohen completa 80 anos e lança disco novo

O álbum ‘Popoular problems’ é lançado apenas dois anos de ‘Old ideas’

  • Por Jonatan Silva

Neste domingo (21) Leonard Cohen comemora 80 anos. A data, por si só, já é motivo de celebrações e comemorações, não fosse o fato peculiar que o cantor-poeta-compositor canadense lança seu novo disco, Popular problems, na terça-feira (23). O anúncio pegou os fãs de surpresa: o último disco de Cohen, Old ideas, foi lançado há dois anos, intervalo curtíssimo dentro do universo do artista, que já teve hiatos de 10 anos entre um trabalho e outro.

Cohen, que há 20 anos tornou-se monge budista, faz de seus trabalhos – poéticos e musicais – uma ponte entre o sagrado e o profano, flutuando em temas como o amor, o desejo, o suicídio e Deus. O publicitário Diego Zerwes, criador do projeto on line Traduzindo Leonard Cohen, acredita que a carga intelectual da música de Cohen está atrelado ao seu talento e reconhecimento como poeta. “Ele já era criticamente considerado um dos 5 maiores poetas canadenses, ao lado de Irving Layton e do acadêmico Louis Dudek, antes de aventurar no mundo da música. Northrop Frye, famoso crítico e teórico literário canadense, foi um dos que exaltaram sua qualidade poética. O verbo, portanto, se fez antes do acorde”, observou.

A carreira musical começou, justamente, pela impossibilidade de se manter – financeiramente – como poeta. No começo dos anos 60, Cohen viveu na ilha grega de Hidra e pretendia ganhar a vida como escritor, mas a falta de dinheiro e facilidade que tinha para criar boas músicas fez com que migrasse o show business, em uma época em que a literatura beat e o folk de Bob Dylan ganhavam o mundo.

Para o poeta e tradutor Fernando Koproski, que organizou e traduziu a primeira antologia poética publicada no Brasil de Leonard Cohen, Atrás das linhas inimigas de meu amor (7Letras), “assim como a lírica do Bukowski (que não era beat) se volta ao cotidiano com uma linguagem mais explosiva e direta, a lírica do Leonard Cohen também abarca o cotidiano, mas o conquista por qualidades outras, tais como a Sofisticação aliada e moldada a ferro e fogo com a Simplicidade”.

Geografia sentimental

Cohen sempre foi um sedutor – nos mais amplos sentidos e significados da palavra. Homem de muitas mulheres, ele transformou muitas deles em musas para canções e poemas. Suzanne, So long, Marianne – para as amantes de mesmo nome –, Chelsea Hotel #2 – para Janis Joplin – e Waiting for a miracle – uma proposta de casamento para a atriz Rebecca De Mornay – figuram entre as porções mais clássicas da obra do canadense.

Para Koproski, o segredo de Cohen está na abordagem dos temas. A resposta se concentra entre “as vicissitudes dos relacionamentos familiares (em especial a geografia sentimental de altos e baixos e outros acidentes geográficos na relação entre homem e mulher), e sobretudo o mapeamento da condição humana e a relação do homem com Deus da forma com que é continuamente questionada pelo autor, vide sua singular trajetória pessoal e espiritual (de judeu a monge budista)”.

Filho pródigo

A caminhada musical de Cohen é extensa, indo do folk, Songs of Leonard Cohen (1967), ao symph pop, Various positions (1984). No entanto, o momento mágico em sua carreira se deu a primeira década do século XXI, quando após ser roubado pela empresária, o cantor precisou voltar a fazer turnês. Cohen nunca escondeu que não gostava de estar na estrada, mas aqueles shows foram, na sua própria opinião, os melhores que já fez. A crítica e o público também celebraram o retorno do canadense aos palcos.

Divulgação

40 anos de gestação

Cohen é um perfeccionista inveterado. M,uitos de seus poemas e músicas levaram anos para ficar prontos. “Hallelujah”, um de seus maiores sucessos, precisou de 5 anos, 80 estrofes e muitos cadernos, para ficar do jeito que seu criador queria. Em Popular problems, a penúltima música “Born in chains” levou 40 anos para ficar pronta e ainda não agradou completamente ao cantor.

“Ela [a letra] esteve circulando por aí 40 anos. Eu a reescrevi várias vezes para acomodar as mudanças em minha posição religiosa”, contou à revista Rolling Stone. Koproski explica esse desejo de criar uma obra perfeita como resultado das experiências do próprio Cohen. “A bagagem de vida que ele traz, não é pra qualquer um”, comentou.

O processo de composição também foi mudando no andar do tempo. Pouco a pouco a Cohen foi deixando de lado o violão – que ele retomaria anos depois – e se dedicando às composições com base eletrônica. “Ele carregava pra todo canto um teclado Casio e foi a partir dele que surgiram as músicas da década de 80. Ele chegou a admitir que compor nessa época era bem mais difícil porque, de certa forma, a tecnologia trazia muitos recursos com os quais era mais difícil de se lidar”, relembrou Zerwes.

I’m your fan

A capacidade de criação de Cohen é também um poder de convencimento. Não são poucos os artistas que se dedicam a reinterpretar as canções do canadense. A primeira pessoa a fazer isso foi Judy Collins. A cantora foi uma espécie de madrinha musical ao gravar “Suzanne”, no disco In my life (1966). O álbum seguinte de Collins, Wildflowers (1967), iria contar com três composições de Cohen: “Sisters of mercy”, “Priests” e “Hey, that’s no way to say goodbye”.

Esse foi o ponto de partida para que nomes de R.E.M. a The House of Love também gravasse o canadense. E foi, justamente, por meio de outros nomes que muitos fãs de Cohen conheceram o ídolo. “Ele foi uma das grandes inspirações do australiano Nick Cave, que possui uma vasta carreira musical, dois romances publicados e roteiros cinematográficos. Inclusive, a primeira música do primeiro álbum de Nick Cave & The Bad Seeds, From Her to Eternity (1984), é um cover de ‘Avalanche do grande bardo”, comentou Zerwes.

Cineastas como Wim Wenders e Oliver Stone também beberam da fonte canadense. Por sinal, foi graças a Assassinos por natureza (1994), de Oliver Stone, que Koproski descobriu o canadense. “Uma música do Cohen abria o filme e outra fechava: ‘The future’ e ‘Waiting for the miracle’, duas canções que até hoje me impressionam pela beleza, audácia e violência de seus versos”, contou o tradutor.

O certo é que, aos 80 anos, Cohen ainda inspira os mais novos e, com os recentes rumores de que ele pode entrar em turnês, a expectativa para que volte aos palcos também ajuda a confirmar o mito. 

Paraná Online no Google Plus

Paraná Online no Facebook

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas