Com tradução do poeta Manuel Bandeira, O Círculo de Giz Caucasiano, dado como o ápice do estilo de Bertolt Brecht, é um capítulo especial da coleção Prosa do Mundo, da Editora Cosac & Naify. Pois que essa tradução, elaborada por encomenda para o Teatro Nacional de Comédia, do Rio de Janeiro, estava perdida desde o início dos anos 60.

A tradução, além do mais, jamais havia sido publicada. E foi recuperada no ano passado, quando se descobriu uma cópia no Museu Lasar Segall, em São Paulo.

A edição é completada com rico material iconográfico da montagem brasileira de 1963, além de textos do próprio Brecht, de Roland Bar-thes e de Manuel Bandeira – este último igualmente inédito.

Escrita em 1944 e encenada pela primeira vez em 1954 (no Brasil em 1963), a peça O Círculo de Giz Caucasiano é uma longa fábula, aparentemente constituída de diferentes enredos, que no entanto sutilmente se entrelaçam e que respondem, ou antes, fazem pensar a respeito de questões como: “O dono da terra deve ser aquele que trabalha, ou seu proprietário?”; “a mãe deve ser a biológica ou a que cuida e ama a criança, ainda que não sua filha natural?”. É a busca por uma resposta a esta última pergunta que forma o cerne do enredo, afinal consistente e que dá título ao drama.

Brecht coloca as questões na mão de um juiz, Azdak, que está bem longe da imagem da seriedade. Ao contrário, ele é divertido, engraçadíssimo por vezes, um verdadeiro “malandro”, um sujeito de poucos escrúpulos, apreciador do vinho e da farra, um depravado, que ainda assim ou por isso mesmo tem o sentido do que quer o povo. Sabe ou intui com perfeição a instrumentalidade dominadora do direito burguês, decidindo sempre contra a lei e a favor do populacho. É um personagem emblemático, dos que ficaram e ficarão para a história dos maiores personagens dos grandes dramaturgos.