As místicas paisagens do Marrocos, país do Norte da África, foram retratadas pelo casal Silvia e Mauricio Natel em uma viagem. A admiração superou o turismo e se transformou em imagens que mostram as diferenças e a similaridade com o nosso cotidiano.

A exposição fotográfica Marrocos fica aberta até 29 de maio no bar Folha Seca, em Curitiba. As fotos são inéditas. A viagem de Silvia e Mauricio começou em Marrakesh, uma das cidades que mais despertam fascínio em todo o mundo.

“Tudo começou porque a gente queria conhecer um país de cultura muçulmana. Muito se fala sobre isto, mas há pouco acesso ao dia-a-dia dessas pessoas. O Marrocos também é um país cuja história nos interessa muito. Só de falar em Casablanca ou Marrakesh, já vem uma imagem na cabeça”, afirma Mauricio. O casal não queria apenas a visão turística do país e, por causa disto, também visitou o interior do Marrocos.

O casal acompanhou vilarejos distantes e que parecem que pararam no tempo, além de várias fortificações. O caminho foi permeado por cenários impressionantes.

“É um país com uma aridez absurda. Aqui, não valorizamos o patrimônio biológico que temos”, comenta Mauricio. Exemplos da paisagem diferente são o vale do rio Draa, os cânions de Todra e Dades e o mar de dunas de Erg Chigaga.

Culturalmente, Silvia e Mauricio Natel encontraram algumas semelhanças com os países colonizados por espanhóis e portugueses, como o próprio Brasil. O Marrocos sofreu diretamente estas influências pela ligação com a Península Ibérica.

“Temos coisas em comuns, como os azulejos, um costume de Portugal. Além das construções das casas, os telhados. Mas, ao mesmo tempo de pontos semelhantes, há uma diversidade cultural enorme em relação ao nosso cotidiano”, relata Mauricio.

Em Fez, uma das cidades imperiais do Marrocos, o casal visitou a maior medina do mundo árabe, considerada patrimônio da humanidade pela Unesco, órgão da Organização das Nações Unidas.

A cidade possui várias vielas, nas quais estão os melhores artesãos do Marrocos. Os destaques são a cerâmica e o couro. Além da qualidade, as peças são apreciadas pelo processo de fabricação. No caso dos couros, o processo de curtição é quase medieval.

Serviço

Exposição fotográfica Marrocos, de Silvia e Mauricio Natel, no bar Folha Seca (Rua Petit Carneiro, 394, Água Verde). Visitação até 29 de maio, de segunda à sexta-feira, das 17h às 2h, e aos sábados, das 12h30 às 2h. Informações pelo telefone (41) 3343-5632 ou no site www.folhasecabar.com.br.